segunda-feira, 19 de julho de 2010

Pesquisa do IBOPE comprova o que venho dizendo.

Está em todos os Blogs e jornais a pesquisa do IBOPE. Está aqui também. Serra na frente com 39%, depois Marina com 29% e, por último, a Dilma com 16%. No âmbito estadual, Tião Viana dispara com 63% e Tião Bocalom patina nos 18%.

Como já disse antes, não creio nas pesquisas eleitorais divulgadas. Se for do IBOPE então, melhor ter muito cuidado. Segundo Ciro Gomes, o Montenegro vende qualquer resultado. Nem precisava dizer. Bastam os erros seguidos e os acertos de última hora para denunciar a funcionalidade de seus números. Mas, porém, contudo, todavia, como dizia um velho amigo, se eles estão ai, tratemo-los. 

O fato que intriga os jornalistas de fora do Acre é como o Serra está tão bem em no Acre onde o PT está instalado e bem instalado no governo há doze anos. Ainda mais se considerarmos que o candidato tucano ao governo vai mal das pernas.  Paradoxalmente Dilma está muito mal enquanto seu candidato está nas nuvens.

No plano federal, é claro que parte dos votos que iriam para a Dilma estão sendo drenados pela Marina Silva. Mesmo assim, duvido que fossem suficientes para que a candidata do PT  ultrapassasse o Serra. Uma grande porcentagem dos acreanos não vai aonde vai o Lula. Da vez passada também foi assim. Então, a pergunta é:  Por que, estando o Serra tão à frente, o candidato tucano, Bocalom, não acompanha a mesma tendência?

Penso que os 39% do Serra refletem as possibilidades da oposição no Acre já faz algum tempo. Os números exibidos por Serra são os que teria um candidato ao governo do Acre, pela oposição, que formulando uma alternativa viável, soubesse interpretar e atrair para si os setores da população descontentes com os sucessivos governos da FPA. Este candidato não existe. Mesmo disposta a votar na oposição, uma parcela significativa do eleitorado não se sente estimulada pelo discurso monocórdio e desestruturado do Bocalom. Já disse antes outras vezes e repito. Para governador o eleitor vota no quê. Se não tem opção vai para o abraço de quem está na frente.

E o Senado? Jorge 67%, Petecão 31% e Edvaldo 27%. Parece que o Edvaldo vai comendo pela beirada que nem canjica quente. Hoje, o problema do Petecão é o Bocalom. Muito dificilmente um candidato ao senado se elege com seu candidato ao governo se arrastando. Basta ver os exemplos. Ele tem duas saídas. Ou consegue turbinar o Bocalom e sobe junto, ou o larga de vez, se pendura no Serra e vai cuidar da própria vida numa campanha típica proporcional, supra partidária, sem adversários no governo, sem restrições ao Tião Viana, sem acidez contra a situação vigente no Acre, na base do "sou amigo de todo mundo", o que, aliás, é bem o seu jeitão mesmo.

É possivel turbinar o Bocalom? Difícil. O homem é teimoso. À esta altura deve estar acreditando que a pesquisa foi comprada e a situação real é inversa com ele na frente. Talvez até apareça com uma "pesquisa interna" dizendo isso. Para que o Bocalom levantasse vôo seria preciso alterar radicalmente seu estilo e discurso, talvez enfiar alguma modernidade em seu raciocínio, quem sabe, um pouco de sustentabilidade em sua plantação de mulateiro. Mas, pelo que observo, nem o próprio Serra conseguiria tal proeza.

Um comentário:

  1. O acre e sua nojeira ate nos comentários!!

    Sempre vai ser? O PT ai meu DEUS que gente burra!!!

    ResponderExcluir