quinta-feira, 26 de abril de 2012

Dia de luto.


A sociedade brasileira deveria guardar o dia de ontem entre os que merecem luto profundo. Me refiro à decisão do Ministro Lewandowski de considerar constitucional as cotas raciais em voga na UNB e em várias outras universidades que macaqueiam tudo que lhes parece moderno e esquerdista. A tendência é de que as cotas sejam aprovadas pela maioria dos ministros do STF. Uma pena. A mais alta Côrte rasga o princípio da igualdade e acolhe o princípio da "justiça social" como se esta pudesse existir sem aquela. O racialismo é a mais grave e deletéria decisão já tomada pelo STF. O futuro dirá de suas consequências.

Já disse antes. A minha única filha passaria com folga em qualquer tribunal racial que o governo venha estabelecer para julgar a sua pele e não o seu intelecto. Mas prometo. A depender de mim e, creio, dela mesma, ela não se submeterá a esta humilhação e não colaborará para que os brasileiros sejam divididos em cores. Ela será o que merecer ser e não o que sua pele declarar. As cotas são, além de tudo, desonestas.

Na foto acima, um exemplo. Estas duas crianças são irmãs gêmeas e brasileiras. O pai, nota-se, é mestiço. Uma entrará na faculdade com notas inferiores as da outra por causa da cor da sua pele. Os racialistas como Lewandowski acham que isso é justiça.

A era da mediocridade parece não ter fim. Os poderes estão submetidos à ditadura das minorias barulhentas. Ninguém ouve os argumentos, a lógica, a ciência. Entre o certo e o errado escolhe-se o que gera mais barulho a favor e assim vamos nos embrenhando no desfazimento do nosso tecido social. Logo virá o aborto e depois as drogas e depois a liberdade de imprensa e depois...

Que tempos!

quarta-feira, 25 de abril de 2012

Código Florestal. Que a dona Dilma vete, ora! E daí?

Vota-se hoje (parece) o Código Florestal. A agricultura, o desenvolvimento rural e a propriedade privada fizeram todas as concessões possíveis. Mesmo assim, parte do governo e ongueiros militantes da causa dos estrangeiros pressionam o parlamento. A estupidez está no palco ameaçando os deputados com o veto presidencial. Que vete, ora. E daí? Que o parlamento derrube o veto se quiser, ora. É do jogo.

sábado, 21 de abril de 2012

Osmarino, Chico Mendes e o sindicalismo devorado.


Da entrevista do Osmarino Amâncio ao Blog da Amazônia recolho o texto abaixo e em seguida comento.

"Na verdade, de Chico Mendes fui companheiro na luta pela permanência dos seringueiros nas terras das quais estávamos todos sendo expulsos naquela época (processo que, ao que tudo indica, segue acontecendo em toda a Amazônia, incluindo o Acre). Quando nosso movimento ganhou repercussão nacional e internacional, vieram nos dizer que estávamos lutando pelo meio ambiente. Num primeiro momento, não sabia do que se tratava essa tal de ecologia, pensei que talvez fosse uma “sobremesa”.
Para mim e para os demais, incluindo não só Chico Mendes, mas a outra centena morta pelo latifúndio, nossa luta tinha mais em comum com os sem terra do sul do País do que com que essa conversa de salvar a floresta pra conter o aquecimento global. Queríamos a floresta em pé, mas com os seringueiros morando nela, tirando dali seu sustento, colocando seu roçado, caçando, pescando e derrubando madeira pra suas necessidades do dia-a-dia (carvão pra cozinhar, tábuas pra fazer casa, estaca pra fazer cerca, etc.)."

Não sei se Osmarino cometeu ou não crime ambiental. Que se apure e julgue. O que, porém, quero ressaltar no texto acima é a sua completa coerência com o que escrevi há 20 anos em minha dissertação de mestrado. Chico Mendes só foi ser ambientalista poucos anos antes de morrer e por senso de oportunidade, pois desse modo poderia conseguir o apoio da imprensa e da opinião pública. O seu verdadeiro e último norte era a posse da terra. Chico Mendes era fundamentalmente um sindicalista rural que aceitou vestiu-se de ecologista para alcançar seu objetivo.

Conheço o Osmarino dessa época. Ele era muito mais valente, muito mais ousado, muito mais atrevido, muito mais insubmisso do que o próprio Chico Mendes. Este era muito mais articulado, mais sábio, mais sereno, mais prudente, mais apto a acordos e consensos e, por isso, era o líder principal. Raramente incendiários como era o Osmarino alcançam tal posição.

Depois que Chico Mendes morreu a interlocução entre os seringueiros e a sociedade seguiu essa linha pontilhada onde se apresentavam técnicos, políticos em inicio de carreira e mesmo seringueiros e ex-seringueiros extasiados com a visibilidade que alcançavam. O ecologismo devorou o sindicalismo rural e fez a fama, carreira e fortuna de seus líderes. Não é por acaso que o Acre é, talvez, o único estado brasileiro onde o MST não fincou raízes. Como poderia? Os espaços estão tomados pelos ecologistas de dentro e de fora do governo, do Acre e da floresta.

É  isso aí.

quinta-feira, 19 de abril de 2012

Entre tiranos honestos e democratas corruptos?

Quando observo tanta iniquidade e tanta corrupção, quando leio que ex-presidentes, ex-ministros, ex-governadores, ex-secretários, ex-qualquer coisa de uma hora pra outra aparecem milionários através de consultorias que na verdade são disfarces para tráfico de influência, não posso deixar de lembrar que:

Quando Castelo Branco morreu num desastre de avião, verificaram os herdeiros que seu patrimônio limitava-se a um apartamento em Ipanema e umas poucas ações de empresas públicas e privadas.

Costa e Silva, acometido por um derrame cerebral, recebeu de favor o privilégio de permanecer até o desenlace no palácio das Laranjeiras, deixando para a viúva a pensão de marechal e um apartamento em construção, em Copacabana.

Garrastazu Médici dispunha, como herança de família, uma fazenda de gado em Bagé, mas quando adoeceu precisou ser tratado no Hospital da Aeronáutica, no Galeão.

Ernesto Geisel, antes de assumir a presidência da República, comprou o Sítio dos Cinamonos, em Teresópolis, que a filha vendeu para poder manter-se no apartamento de três quartos e sala, no Rio.

João Figueiredo, depois de deixar o poder, não aguentou as despesas do Sítio do Dragão, em Petrópolis, vendendo primeiro os cavalos e depois a propriedade. Sua viúva deixou um apartamento em São Conrado que os filhos colocaram à venda,  em estado de lamentável conservação.

O que fariam os governantes de hoje se tivessem o poder que tinham os generais? Democracia rima com corrupção?

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Mensaleiro visitando Ministros do STF? Hummmmmmmmmmmm

Colado do Reinaldo Azevedo.

Por Carolina Brígido e Roberto Maltchick, no Globo:

Réu no processo do mensalão, o deputado João Paulo Cunha (PT-SP) bateu pessoalmente à porta do Supremo Tribunal Federal (STF). Pediu audiência a cinco ministros. Por enquanto, foi recebido por Dias Toffoli em seu gabinete na semana passada. O ministro confirmou o encontro, mas alegou que o parlamentar o procurou na condição de integrante da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados. Teria ido apenas para entregar o relatório final da comissão de juristas que estuda mudanças no Código Penal. Porém, João Paulo não relata a comissão, nem recebeu missão para representá-la no STF.

Quando vi a noticia não pude deixar de pensar no caso em que fui vítima de tentativa de assassinato há15 anos, no Acre. No tribunal do Juri os réus foram condenados. Um deles recorreu ao Tribunal de Justiça e o processo seguiu para o STJ onde ainda não foi julgado. O vagabundo anda solto por ai fazendo traquinagens.  Me confessou depois um dos jurados, que o pai de um dos réus andou visitando quem pôde dos membros do júri antes do julgamento, pressionando com ameaças ou com argumentos fora dos autos, já que estes eram comprometedores. Este jurado que me contou não participou do julgamento, mas poderia e, assim, julgaria sob pressão indevida. Voltemos ao João Paulo Cunha. É o que parece estar acontecendo com os Ministros do STF aos quais o JPC pediu audiência recentemente. A simples audiência, mesmo que não trate do mensalão será obvia pressão do acusado sobre os julgadores. Simplesmente inadmissível. Quem o receber deveria estar impedido.

terça-feira, 17 de abril de 2012

Poliana, a gringa.

A Secretária americana Hilary Clinton disse ai num desses convescotes oficiais que a dona Dilma está  implantando um novo padrão de luta contra a corrupção. PQP! Dilma nomeia ministros corruptos a granel, só os demite quando a imprensa enforca os vagabundos e vem a dona Clinton admirar tal procedimento?

Agorinha mesmo está ai o PAC empacado de superfaturamentos e neguinho no governo se borrando de medo de que antes de chegarem ao Delta, as águas da Cachoeira inundem de lama os escritórios de consultoria. Só se for um padrão de tolerância, de fisiologismo, de negligência.

Se bem que desde que a Hilary engoliu aquela desculpa do marido tarado que treinava a estagiária em boquetes sob a mesa, dá pra desconfiar que a gringa tem um certo quê de Poliana. Americana é tão boazinha!

O Acre faz parada em Milão. "Vuoi acquistare mobili in legno?"

Vou entrar nesse teretetê da viagem de políticos e empresários acreanos a Milão, na Itália, apenas para dizer que para um estado pobre e de economia primária como o Acre todas as oportunidades que surjam ou possam surgir são boas, que todas as viagens efetivamente de negócios devem ser realizadas, que toda a prospecção de comércio é importante. Se tiver uma feira de couro, acho que o Acre deve ir, de fruticultura, idem, e assim por diante. Todos os estados e países fazem isto, ou seja, mercadejam seus produtos.

Outro ponto a considerar é que nem sempre essas viagens produzem os resultados esperados. São apostas, tentativas, intenções que podem ou não se concretizar e gerar efetivos negócios e encomendas. Algumas expectativas provavelmente serão frustradas por questões fora do controle das empresas ou porque foram mesmo mal elaboradas, superestimadas etc. É do jogo.

Importante é ter cuidado com a divulgação dos resultados dessas viagens. Não se pode contar com o ovo ainda na galinha e sair propagandeando revolução esta ou revolução aquela. Na base da boa intenção o Acre já foi da Finlândia à Costa Rica e na realidade nunca deixou de ser o Acre. Tenhamos, pois, cuidado na informação e mais cuidado ainda em dar consequência aos resultados da viagem. Desta e de quantas surgirem como forma de atrair investimentos.

Esperando os Juízes.

Qualquer cidadão honesto gostaria de ver o fim do processo que tramita no STF conhecido como mensalão. Se são 40 ou 41 os bandidos que saquearam a república, se locupletaram e se elegeram a cargos públicos para de lá enriquecerem ainda mais, não importa. Bom é que sejam todos julgados conforme as provas colhidas e, se for o caso, condenados, em uma demonstração mínima de que no Brasil ainda há juízes. Não dá é pra empurrar com a barriga até a prescrição. Isto seria um tapa na cara de cada um dos brasileiros.

Anos se passaram e estão todos ai, se dando bem, rindo da nossa cara. Há até quem diga que aquilo tudo não existiu, que foi obra da imprensa. O chefão voltou a campo para confundir a opinião pública. Calhordas de ontem e de agora se agarram na esperança de que a memória do brasileiro é curta e seu coração imenso. Talvez seja isso mesmo. Aguardemos o STF.

sexta-feira, 13 de abril de 2012

Morre um grande cientista brasileiro, o geógrafo Aziz Ab_Saber

Cientistas de araque farão grandes homenagens a um cientista de verdade, o geógrafo Aziz Ab-Saber, que morreu hoje. Veja  AQUI o que pensava Ab-Saber sobre o pânico dos adeptos da seita do aquecimento global.



quinta-feira, 12 de abril de 2012

A traição está no ar

Leio a noticia de que vazou um documento do PSDB no qual, a partir de orientação verbal do deputado Marcio Bittar, um dirigente local informa a direção nacional sobre a situação do partido no Acre. O pau desce feio principalmente no Normando Sales e no próprio candidato Bocalom. Marcio terá coragem de se responsabilizar pelo texto ou jogará a culpa nas costas do José Wilson? Conheço bem a figura e garanto que tirará o seu da reta. Marcio é frouxo, jamais assumirá o que lá está escrito, embora aquilo seja o mínimo que pensa e fala dos tucanos acreanos.

Creiam no que digo. Marcio considera o Bocalom um provinciano tosco incapaz de pensar além de Acrelândia. O referido autoritarismo e a teimosia do Bocalom não são, segundo Marcio, os seus piores defeitos, mas sim a sua "burrice", a sua limitada capacidade de compreender o Estado em sua verdadeira dimensão. Esta seria, aliás, a razão pela qual, no seu entendimento, o Bocalom se cerca de gente "incompetente e desonesta".

Marcio sempre se jactou de andar em boa companhia. Para isso, buscou apoio em professores universitários e técnicos do setor público. Os melhores exemplos são além de mim, os professores Carlos Cavalcante (Carlitinho), Airton Rocha e Dourado. Embora ele próprio tenha apenas concluído(?) o segundo grau, Marcio percebeu que precisava de um verniz técnico, então arregimentou alguns cérebros que iludiu com boa conversa e conseguiu se capacitar minimamente para o debate público.

O documento do PSDB apenas revela algumas poucas fragilidades da composição que responde pelo PSDB acreano. Entre si verdadeiramente se odeiam e se suportam apenas por projetos eleitorais. É tudo acordo de conveniência. Além disso, sabe o Bocalom que com Marcio Bittar por perto a traição sempre estará no ar.


quarta-feira, 4 de abril de 2012

A turma de Demóstenes é aquela mesma.

Sabe o que mais incomoda na descoberta das patifarias do Demóstenes Torres, que outros diriam se tratar apenas de "erros"? É que os corruptos de todos os partidos, de todos os governos, utilizam o fato como alvará para continuar a delinquir sem medo, sem vergonha, e ainda lançar olhares de desconfiança para quem discursa em favor da ética. Fica parecendo que todos aqueles que defendem a honestidade pertencem à turma do Demóstenes. Gente comum que apenas não mete a mão no bolso de ninguém, nem do governo, fica encabulada com a impressão de que seu lado está contaminado. Pois não está.

Demóstenes não pertence à minha turma. Nunca pertenceu. Eu não pertenço à turma de Demóstenes, nunca pertenci. Demóstenes sempre pertenceu à turma dos patifes que se utilizam dos cargos públicos para enfiarem a mão no dinheiro do brasileiro, enriquecerem e fazerem carreira e fama. Demóstenes pertence à turma dos mensaleiros, dos anões do orçamento e outros grupos de assaltantes. Ele que vá se explicar nas barras da justiça, ou (seria melhor) que enfie uma bala nos próprios miolos. Nem ele nem ninguém me fará ter vergonha de ser honesto.

Os vagabundos que a esta altura estão rindo do Demóstenes como se a sua incúria justificasse a roubalheira geral estão enganados. Apenas caiu mais um de sua turma.

terça-feira, 3 de abril de 2012

Demóstenes vai embora do DEM sem fazer um seppuku

O senador Demóstenes, do Goiás, entregou pedido de desfiliação ao DEM. É o mínimo que poderia fazer. Deveria ter renunciado ao cargo de onde será apeado mais cedo ou mais tarde. Vai empurrando o drama até onde der na presunção de que a firula legal vencerá a desmoralização pública. Segue assim o caminho dos mensaleiros e outros da espécie que conseguem no Brasil (só poderia ser no Brasil) andar de nariz empinado enquanto seus advogados pagos a peso de ouro utilizam-se de artimanhas e conluios extrajudiciais para livrarem-nos da condenação.

Os quarenta que segundo o Procurador-Geral da República formavam uma quadrilha estão todos por ai, leves e soltos. É nisto que aposta o Demóstenes. Se o Zé é o cara, se o outro Zé é quase Ministro e os outros mantém e até aumentaram suas influências no governo, porque raios o Demóstenes faria um seppuku? Nada disso. Vai tocar a vida na esperança de que será esquecido. E será.