domingo, 4 de julho de 2010

Mais uma vítima da ditadura cubana.

O dissidente cubano, psicólogo e jornalista Guillermo Fariñas, pode morrer a qualquer momento. Dará cabo da própria vida em greve de fome que já dura 131 dias. O que ele quer é apenas que os presos políticos da ditadura cubana sejam libertados.

Em países que sofreram ditaduras terríveis como o Chile ( ver aqui ) os democratas exigem alguma ação no sentido de salvar a vida de Fariñas. Por aqui, mesnosprezo, escárnio e silêncio total das autoridades, muitas delas sócias e amantes do ditador cubano. Políticos e jornalistas que costumam latir contra atentados aos direitos humanos nas portas das delegacias enfiam o rabo entre as pernas.

Que tempos vivemos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário