domingo, 28 de fevereiro de 2010

A fila da morte em Cuba


O cidadão na foto chama-se Guillermo Fariñas. É um dos cubanos atualmente em greve de fome.

Em entrevista recente divulgada em http://www.cubanet.org/ ele disse “El lugar de Orlado Zapata Tamayo, un humilde albañil que fue capaz de inmolarse por nuestra patria, no puede quedar vacío. Con mi huelga quiero rendirle homenaje y demostrar que su sacrificio no ha sido en vano, que alguien toma el lugar que el ha dejado al morir. Estoy seguro de que, después de mi muerte, habrá otros que ocupen mi lugar y el relevo continuará hasta que el gobierno nos escuche”.

Certamente Fariñas morrerá em pouco tempo. Outros virão.

A carta dos cubanos que ninguém leu - cadê o protocolo?

"Voce só pode dizer que encaminhou uma carta se pode mostrar o protocolo, sabe?"

Como nas prisões de Fidel não tem protocolo o governo brasileiro não recebeu esta. http://www.cubanet.org/CNews/y2010/feb2010/22_C_8.html


Carta de presos políticos cubanos al Presidente de Brasil
La Habana, 21 de febrero de 2010
Sr. Luiz Inacio Lula da SilvaPresidenteRepública Federativa de Brasil


Estimado Sr. Presidente:


Al conocer su próxima visita a Cuba, integrantes de los 75 prisioneros de conciencia, injustamente condenados durante la Primavera Negra de 2003, abajo firmantes, nos dirigimos a Usted para solicitarle que en las conversaciones que sostendrá con los máximos representantes del gobierno cubano contemple nuestra situación y la de los demás prisioneros políticos pacíficos cubanos y abogue por nuestra liberación. Igualmente aspiramos a que Usted se interese por el prisionero de conciencia Miguel Zapata Tamayo, quien desde diciembre ha sostenido una huelga de hambre para reclamar sus derechos y hoy se encuentra en condiciones de salud peligrosas para su vida en el Hospital Nacional de Reclusos, en la Prisión Combinado del Este.

Brasil, por el camino de la democracia y la paz, ha alcanzado altos niveles de desarrollo y reducido considerablemente la pobreza, y por tal motivo constituye un ejemplo demostrativo de que mediante el respeto a la libre expresión, la justicia social y el aliento a la creación, pueden alcanzarse elevadas cotas de prosperidad para los pueblos. Con ello, además, ha logrado prestigio y autoridad moral y ética internacionalmente. Su desempeño, Presidente, ha sido encomiable en tal sentido.

Usted podría ser un magnífico interlocutor para obtener que el gobierno cubano se decida a acometer las reformas económicas, políticas y sociales urgentemente requeridas, avanzar en el respeto de los derechos humanos, lograr la ansiada reconciliación nacional y sacar a la nación de la profunda crisis en que se encuentra. Usted podría contribuir significativamente a la felicidad y el progreso del pueblo cubano. En tal sentido, con posterioridad a su visita, los representantes diplomáticos brasileños a la vez que mantengan su relación con las autoridades cubanas, deberían escuchar las opiniones de la sociedad civil, incluidos los familiares de los prisioneros de conciencia y políticos, así como de la oposición pacífica.

Reciba el testimonio de nuestra consideración y respeto.

PRISIONEROS DE LOS 75 QUE HAN PODIDO SER CONTACTADOS TELEFONICAMENTE EN LAS CÁRCELES, Y CON LICENCIA EXTRAPENAL POR SERIAS ENFERMEDADES:

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Código florestal, reserva legal e teatro.


O Código Florestal é um tema que acompanho há tempos. Ele foi peça-chave do Plano Amazônia Sustentável que ajudei a elaborar. Como não estive presente na audiência pública que se realizou no Acre nesta quinta-feira, soube de seus resultados pela imprensa e blogs. Em texto do jornalista João Brana publicado no Blog "Ambiente Acreano", do Evandro Eerreira, as principais posições foram razoavelmente identificadas. Considerando que por minha formação e experiência a questão pertence por assim dizer, ao meu quadrado, meto daqui o meu bedelho.

Uma das maiores aberrações (não a única) contidas no Código Florestal é a sua horizontalidade quando trata da reserva legal. Desafio quem a justifique honestamente.

Não me refiro aos 80%-20% especificamente. Poderia ser 70%-30% ou 50%-50%, tanto faz. Qualquer percentual linear seria um equívoco. Os que criaram este parâmetro e o aplicaram aos imoveis situados na Amazônia Legal, indiferentemente de sua dimensão, exploração e localização simplesmente jogaram no lixo, entre outros aspectos, o processo de ocupação das terras, o desenvolvimento tecnológico, a produtividade da terra e do trabalho, o valor da infraestrutura social implantada, a força de trabalho média por área ocupada, as características agronômicas do solo e da vegetação, as diferenças climáticas, a demanda por alimentos e outros bens e serviços do setor... enfim, desobedeceram a lógica mais elementar e selaram por tempo indeterminado as possibilidades de contrução de um desenvolvimento equilibrado.

Algum dos presentes (ou ausentes) na audiência pública poderia me explicar por que um imóvel de 50.000 hectares localizado em Santa Maria dos Marmelos, no Amazonas, deve ter proporcionalmente a mesma reserva legal que um imóvel de 50 hectares em Senador Guiomard, no Acre?

O índice de reserva legal deveria ser estabelecido a partir da função possivel e necessária, no presente e no futuro, que a terra poderia exercer mediante a sua inserção em um projeto de desenvolvimento de longo prazo. Lá em Santa Maria dos Marmelos, muito provavelmente a reserva legal deva ser máxima. Em Senador Guiomard, muito provavelmente deva ser mínima. Por quê? Ora, porque a terra seguramente exerce diferentes funções no desenvolvimento de cada município, estado ou região. Simples assim.

Os ZEE's estão sendo ou foram elaborados sob a perspectiva de engessamento de 80% dos imóveis. É um ZEE atrofiado. Sei. A reserva legal pode ser explorada de modo sustentável. É mesmo? Em propriedades de 50, 100, 200 hectares, que são a maioria? O cidadão vai passar um ano embaixo de uma de suas 10 castanheiras esperando que um ouriço lhe caia na cabeça?

O Zoneamento Econômico-Ecológico deveria preceder e justificar o índice de reserva legal, e não o contrário. Não teríamos, por isso, UM índice de reserva legal regional, horizontal e burro, mas tantos quanto fossem apropriados à cada realidade. Estadual, municipal, por bacia, por microbacia, por macro, meso ou microregião... tudo isso dependeria do Zoneamento que entre vários aspectos consideraria o tamanho da propriedade, de tal forma que uma pequena propriedade familiar em Senador Guiomard poderia estar liberada para gerar emprego e produzir alimentos para os setores urbanos, enquanto em Santa Maria do Marmelo um imovel do mesmo tamanho teria outro papel.

Interessante que desse modo também se poderia chegar aos 80%, com a diferença de que, neste caso, se manteriam as condições de realização das diversas vocações da Amazônia (não há uma só). A "vocação florestal" da região não se sustenta na economia nem na história. Se a vocação de uma região fosse naturalmente determinada, em Israel só se comeria areia.

Eles não sabem disso? Sabem sim. Ocorre que estão trabalhando em outra escala. Fizeram de fora pra dentro um Zoneamento no qual a unidade é a Amazônia e não a microbacia hidrográfica ou a microregião homogênea. Neste zoneamento global o cidadão da Amazônia ficou de fora. Cabe à região, como um todo, a função de manutenção do estoque de recursos para exploração posterior - preservação, e 80% resolve a questão. Neste sentido, audiências como a desta quinta-feira em Rio Branco tendem a ser mero teatro. Com direito a ilusionistas e platéia entorpecida.

Cotas raciais - Frei Davi e Demétrio Magnoli na Band

Cotas raciais - o STF fará audiência de um ouvido só.




As audiências públicas são, de fato, um extraordinário mecanismo de esclarecimento, de debate e de participação da sociedade nas decisões do Estado. Já presenciei debates fantásticos neste tipo de fórum, tais como, por exemplo, as que debateram a transposição das águas do rio São Francisco.

Ocorre que nem sempre elas acontecem com este objetivo ou possui as melhores condições para que isto ocorra.
Vejamos o caso das audiências previstas para debater no STF a questão das cotas raciais para ingresso nas Universidades, objeto de ADIN impetrada pelo DEMOCRATAS. Pelo que se anuncia, serão audiências de um ouvido só.

Foram convidadas QUARENTA autoridades. Só que 28 (70%) são declaradamente a favor das cotas. Apenas 12 (30%) são contra.

O Governo, interessado na implantação de mais este atentado à democracia, utilizou seus meios para trazer à Brasilia e pressioanr o STF o maior número possivel de representantes de organizações racialistas.


Um dos setores mais diretamente envolvidos, as Universidades, foram chamadas sob o critério de serem A FAVOR. Nenhuma das que foram convidadas é contra. Que debate estranho será este em que todos são a favor?


Em suma, o STF se rendeu ao bom mocismo e submete o exame da constitucionalidade de uma lei (este é o seu papel e não outro) ao achismo da militância organizada.

Emparedado por autoridades, ong's e governo, poderemos esperar do STF o quê?

Frio não desmente aquecimento global. E o contrário?


Com um frio há meses congelando até neurônios no hemisfério norte e, agora, chegando com força pelos lados de cá, os terroristas do clima correram à imprensa para dizer que o que está ocorrendo não desmente o aquecimento global.

Engraçado é que estes mesmos cientistas (?) não resistem à queda de uma geleira no pólo norte e já se põem a alardear o aquecimento global. Aliás com o calor que fez no Brasil nos ultimos meses, não faltou quem dissesse que tudo, inclusive os temporais, era causado pelo aquecimento global antropogênico. "Tá vendo? Voces ficam por ai queimando gasolina e comendo carne, agora aquentem o calor e as tempestades!"

Pois então, vamos combinar. Se o frio não desmente o aquecimento global antropogênico, o calor também não o confirma, certo?

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Sinéad O'Connor - Troy



...
Nós eramos tão jovens
Nós pensamos que tudo
Que poderíamos fazer era o certo
Então nos tocamos
Roubados pelos nossos olhos intensos
E eu queria saber para onde você foi
Conte-me quando a luz se apagou
...

Pauta para o Aldo Rabelo

Inspirado na sugestão do pesquisador e bom blogueiro Evandro Ferreira, sugiro algumas perguntinhas básicas ao Deputado Aldo Rebelo, relator da comissão de reforma do Código Florestal, que estará nesta quinta em Rio Branco. Em vermelho, como homenagem.


1. Como será possível atender em longo prazo a demanda crescente de biocombustível – B5 e de alimentos, incluindo exportações, sem exercer pressão sobre as áreas de floresta primária?


2. Qual a lógica subjacente à alteração dos limites de reserva legal na Amazônia se, conforme ong’s e o próprio MMA, existem na região mais de 150 milhões de hectares desflorestados e com baixíssima ou nula taxa de utilização?


3. O mundo exibe nos dias de hoje a inaceitável taxa de 15% de sua população (cerca de 1 bilhão de pessoas) com fome. Como compatibilizar a necessária produção de alimentos para esta gente com a crescente regulamentação restritiva ao uso da terra sob pretexto de redução de emissões de CO²?


4. Pra terminar: O bifinho nasce na prateleria do supermercado?

Sob pressão o PNDH vai desminlinguindo, mas ainda falta muito.















Depois de amansar perante os militares, o PNDH se ajoelha diante dos cristãos e promete retirar a legalização do aborto. Nem assim a Dilma se dispôs a ir à CCJ no Senado Federal. Virou o jogo no plenário e delegou a tarefa ao companheiro de armas e de ministério Paulo Vanucchi. Ainda estão lá no Decreto os atentatos ao direito de propriedade e à liberdade de expressão, inclusive religiosa.

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Fernando de Noronha vai pertencer ao RN


Festa no Rio Grande do Norte. Depois de 310 anos sob domínio dos imperialistas pernambucanos, a ilha mais bonita do Brasil vai pertencer aos potiguares que aguardaram isso pacientemente.

O motivo? Ora, é mais perto. Não basta?

Em Cuba um cadáver recepciona nosso Presidente.


Em seu Blog (http://www.desdecuba.com/generaciony/), Yoana Sanchez divulga rápido testemunho da mãe do cubano Orlando Zapata Tamayo falecido hoje depois da greve de fome que fez durante 85 dias. Segundo ela e os companheiros de prisão de Orlando, o preso politico foi torturado. Lula está hoje na Ilha de Fidel.

Alguém dirá que em Cuba tem "democracia até demais"?

Mentiras e mistificações na Amazônia

Leio no blog Ambiente Acreano do bom Evandro Ferreira, uma entrevista publicada originalmente pela ONG amazonia.org.br, cuja chamada é: “Temos 40 anos para evitar o colapso da Amazônia, diz pesquisador do Inpe”. Vale a pena ler, senão pelas bobagens que contém, pela possibilidade de compreender como se faz a mistificação do tema Amazônia.

Tudo começa na apresentação do entrevistado. Normalmente é um pesquisador de algum Instituto. Se for do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), então pronto, o sujeito já tem “otoridade” para dizer impunemente o que quiser. Segundo passo é a manchete alarmista. Querem algo mais estarrecedor do que “colapso da Amazônia”? Quando dá em gente é morte certa. Terceiro passo é usar uma terminologia em inglês. Assessment of the Risk of Amazon Dieback. Que tal? Não é bacana? A partir daí, meu amigo, você é uma vítima potencial da mistificação travestida de ciência.

Como nos ensina o jornalista Reinaldo Azevedo, vamos fazer um vermelho (ele) e azul (eu) com o entrevistado-cientista-do-Inpe. Eu, cientista de coisa nenhuma. Comecemos pelo começo.

Deduz o jornalista(?) Bruno Calixto, do Amazônia.org.br logo de inicio: “Se continuarmos no mesmo ritmo de desmatamento que tivemos durante a década de 2000, associado ao impacto das mudanças climáticas, a Amazônia chegará ao seu limite por volta de 2050.” Mas o pesquisador diz que "o Estudo procurou avaliar os riscos de parte da floresta amazônica entrar em colapso devido à conjunção de três fatores: desmatamento, mudanças climáticas e queimadas”.

O estudo avaliou os riscos de parte da Amazônia entrar em colapso. Ou seja, mesmo que todo o resto faça sentido, esqueça a manchete. Ela está aí apenas para causar pânico. É a ONG fazendo seu trabalhinho.

Amazonia.org.br - O que é o conceito de "Amazon Dieback"?

Gilvan Sampaio – Não tem uma tradução exata para esse termo, mas podemos dizer que é o risco de colapso de parte da floresta. Não de toda a floresta, mas de parte da Amazônia. O nível, o ponto que chega a floresta que, mesmo que você faça reflorestamento ela não retorna. É uma morte de parte da floresta.

Como eu disse antes. Não é de toda a Amazônia. Isto fica por conta da ONG terrorista.

Amazonia.org.br - E o estudo quantifica esse risco?

Sampaio – O risco é alto. Nós já desmatamos quase 20% da Amazônia, e o ponto limite da floresta é 40%. A partir de 40% de desmatamento, e considerando os efeitos do aquecimento global, você não conseguiria mais recuperar a área que já foi devastada.

O ponto limite é 40%? De onde tirou este dado? Percebam que ao limite de 40% de desmatamento que não se sabe de onde veio ele acrescenta os efeitos do aquecimento global. Baseia-se nas seguintes premissas: O desmatamento atingirá 40% da área; o aquecimento global é real. Esqueceu de olhar os limites da propriedade privada na Amazônia e a curva de temperatura global dos últimos 11 anos que é estável com viés declinante.

Sampaio - O que eu quero dizer: agora a gente já desmatou 20%. Se você parar de desmatar, e quiser recuperar esses 20%, possivelmente conseguiremos recuperar. Até 40%. Esse seria o limite, mais do que disso a gente não consegue recuperar parte da floresta amazônica.

Por que raios se pode recuperar 100% de 20% e até de 40%, mas não se pode recuperar de 41%? Que dinâmica é essa? Seria uma virada de esquina em que os sistemas biológicos deixariam de responder à ação humana?

Amazonia.org.br - O estudo apresenta estimativas diferentes para a mudança do clima, com cenários mais otimistas ou pessimistas.

Sampaio – Isso. A diferença entre eles é a concentração de gases na atmosfera, sobretudo de CO2. Porque num cenário de mais emissões, a degradação é maior, e também por conta do maior impacto no clima. Embora esse limite, quando se chega a um nível de degradação muito grande, por exemplo mais de 50% de desmatamento, não há muita diferença entre os cenários. Tanto faz os cenários de alta ou baixa emissão, com esse nível de desmatamento alto, a área degradada e a área remanescente de floresta seria muito semelhante.

O cientista aproveita para alimentar o pânico. Estabelece um corte em 50% de desmatamento, tipo tanto faz 50% quanto 100%. Fico imaginando que nem adianta tentar recuperar a mata atlântica, pois até que se chegue em 51% (nunca será alcançado) tanto faz.

Sampaio - Se continuarmos o ritmo de desmatamento e de emissões que estávamos na década de 2000, nós atingiremos esse limite por volta do ano de 2050. Quer dizer, nós temos no máximo quarenta anos para reverter esse quadro.

Esta é a afirmação mais comum e mais burra, embora freqüente em fóruns do tipo. Desde 2000 o ritmo está DIMINUNDO. Além do mais, há limites absolutos à expansão do desmatamento. Nem sequer há propriedade privada suficiente para este nível de expansão. A não ser que o cientista cogite que o governo vai, ele mesmo, tocar fogo em áreas indígenas e de preservação.

Amazonia.org.br - E nessa estimativa foi considerada as metas de redução de desmatamento do governo?

Sampaio – Ainda não. Esse será o nosso próximo passo.

Ahh tá. Então no modelo do cientista o Governo fica de fora. Bem moderno, hein?

Amazonia.org.br - O estudo também analisa o impacto em diferentes regiões da Amazônia.

Sampaio – No Nordeste, não da Amazônia, mas o Nordeste brasileiro, também existe impacto associado ao desmatamento da Amazônia, porque o desmatamento faz com que haja diminuição da área de caatinga, dando lugar a uma área bem grande de semideserto.

Como é que é? O desmatamento na Amazônia faz com que haja diminuição da área da caatinga?

Amazônia.org.br - Isso acontece por causa de mudanças no regime das chuvas?

Sampaio – No Nordeste ocorre uma diminuição bastante grande de chuvas na região central, com o desaparecimento da caatinga e o aparecimento de semideserto. Isso, de fato, já está acontecendo, a tendência é se acelerar.

O cientista afirma que o regime de chuvas do nordeste depende da evapotranspiração da floresta amazônica. Aboliram o El Niño. Deve ser por isso que a última grande seca no Nordeste já completa 12 anos embora o desmatamento na Amazônia tenha sido contínuo. Hehehehe

O estudo apresenta propostas para evitar os impactos?
Sampaio – Não, não fizemos recomendações. Na verdade, as recomendações são aquelas que já conhecemos: diminuir as emissões de gases de efeito estufa e controlar o desmatamento.

Pronto. Termina com a bobagem aquecimentista de sempre. Mais um carbofóbico.

Da entrevista o que se pode com com máxima certeza é que se trata de mais uma tentativa de gerar pânico nas pessoas. O cientista do Inpe, firmado em premissas que julgo falsas, como o avanço indefinido do desmatamento e a existência provada de um aquecimento global às custas das emissões de CO², conclui falsamente aquilo que premissas falsas permitem. É assim que funciona.

A ONG vai mais além. Extrapola para o todo o que o cientista afirma para uma parte. Faz da ciência propaganda vagabunda, se me permitem o termo. Assim justifica a publicação, a atenção de muitos crédulos, a presença em fóruns ambientalistas, a grana para seus projetos e o emprego de muita gente que deveria estar aprendendo lógica elementar.
*Publicado também em minha coluna em http://www.agenciaamazonia.com.br/

Morreu o professor José Carlos Azevedo, um verdadeiro cientista.

Morreu o Professor José Carlos Almeida de Azevedo, ex-reitor da Universidade de Brasília (UnB) aos 78 anos de idade. Era formado em engenharia e arquitetura naval, em física e em engenharia nuclear pelo Instituto de Tecnologia de Massachussets (MIT), nos Estados Unidos. Em 1965, concluiu também o PhD em Física, na mesma instituição.

Nos últimos anos, o cientista escreveu vários artigos sobre o aquecimento global, com duras críticas ao Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) da Organização das Nações Unidas (ONU).

Conheci-o recentemente em uma audiência pública sobre o aquecimento global na Câmara dos Deputados. Era jovial, alegre, simpaticíssimo. Disse-me, com um sorriso, “Esses caras são doidos”. Referia-se aos ambientalistas que faziam prognósticos aterradores em relação à influência do CO² na agricultura brasileira.

Em novembro do ano passado escreveu artigo publicado no “Estadão”. Em certo trecho, fazendo analogia com outro artigo (de Eugene Ionesco) diz "Quando ouço os homens de Estado, políticos, diplomatas internacionais, com suas grossas pastas e sua sobranceria falarem de aquecimento global, tenho vontade de tirar o meu revólver.”

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Milton Santos não precisou de cota racial, ninguém precisa.

Vi, por sugestão do site CONTRA A RACIALIZAÇÃO DO BRASIL (link aí do lado), um vídeo no qual, sem que fosse abordado diretamente o tema - cota racial, o eminente geógrafo brasileiro, intelectual prestigiado internacionalmente, escritor e professor Milton Santos deixa claro que teme medidas que visem reproduzir no Brasil as circunstâncias raciais dos EUA. Pois é justamente o que estão tentando fazer uma certa esquerda demente e ongueiros deslumbrados que pensam estar, através das cotas raciais, resgatando uma dívida social com os afrodescendentes.

No fundo esses "militantes negros" está ganhando notoriedade, prestígio e dinheiro, bastante dinheiro, justamente porque são negros. Não é engraçado?

Vejam o vídeo. Imperdível.

Máiréad Nesbitt - elas não são o que dizem que elas são (as loiras)

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Flaviano Melo - dependendo das circunstâncias, Rodrigo vai em vôo sólo.

Acabo de ver a entrevista que o deputado Flaviano Melo deu à TV Gazeta. Bem ao seu estilo cada vez mais apurado. Educado, mas reto. Aliança com o PT não tem chances. Ceder a vaga de governador em uma coligação com o PSDB nem pensar. Vai com Rodrigo Pinto.

oFicou nisso. Em um bloco apenas de entrevista não dava mesmo para ir mais longe. Além disso, o entrevistador, pra variar, não ajuda muito.

 Em determinado momento o jornalista pergunta: falta de recursos atrapalha uma eleição? Putz! Em outra passagem fez ilações sobre as relações entre Rodrigo Pinto e Luís Carlos Pietschmann.  Citou Jorge Viana, Edvaldo Magalhães e Henrique Afonso como candidatos ao Senado. "Esqueceu" todos os nomes da oposição. Pra terminar indagou sobre a situação do Arruda em Brasília.

Algo que sempre percebo nessas entrevistas é que não se debatem temas realmente importantes. Ficam na "politiquice". Uma pena. Bem que o entrevistador poderia perguntar ao Flaviano sobre o PNDH III que está em discussão no Congresso e inclui temas como o aborto, a liberdade de imprensa e o direito de propriedade, ou sobre a reforma do Côdigo Florestal que tem implicações sérias sobre a Amazõnia, ou sobre o Pré-sal, enfim, há tanto a saber do pensamento de um deputado federal, não é mesmo?

Em Cuba, sob os irmãos Castro, nem educação, nem saúde, nem segurança. Apenas miséria e violência.

Se pensa que em Cuba, apesar da miséria "causada pelo embargo norte-americano" existem boas escolas, segurança e boa saúde. Engano. Nem uma coisa, nem outra, nem outra. Quem quiser acompanhar o que se passa na ilha dos irmãos Castro leia o Blog da cubana Yoani Sanchez ( aqui ), que prestigiada no mundo todo como intelectual e ativista, recentemente foi detida e espancada pela ditadura cubana. Foi também proibida de vir ao Brasil. A propaganda comunista (isso ainda existe?) acusa-a de servir aos interesses "imperialistas" americanos. Do outro lado, alguns desconfiam que seja agente castrista.

Segundo ela própria "Terminei por chegar, com esta balsa-blog, a um território prazeroso e doloroso a sua vez, onde a responsibilidade cívica já nao me deixa voltar atrás. Agora tenho duas vidas, uma real, parcelada e fiscalizada, onde escuto ordens, lemas e chamados à batalha; outra, virtual, enorme, livre, onde comecei a sentir-me cidadã."

De todo modo, vale a pena acompanhar.

domingo, 21 de fevereiro de 2010

Voyage Voyage - Gregorian

Aquecimento Global: ciência ou religião?

Diante do fracasso da COP 15 e do frio de rachar que bate recordes no hemisfério norte, os fanáticos do aquecimento global recolheram suas armas de caça ao CO² e sumiram da mídia. Retirada estratégica. Lá onde estão enfurnados, especialmente nos órgãos governamentais e órgãos não-governamentais (a maioria peleja nas duas frentes) continuam a dar as cartas e a grana das pesquisas, dos projetos, dos investimentos, das compras...

Nos meios científicos a  teoria AGA está em declínio. Nos EUA, pesquisa recente indica que o povo não está dando a menor bola para os fanáticos. Mais alguns anos e Al Gore terá que vir a público dizer que "erramos". Esperemos.

Enquanto isso, do lado onde se faz ciência e não proselitismo, gente séria põe o nariz pra fora e contradiz abertametne a escatalogia dos carbonofóbicos. É o caso do professor Gustavo Batista, da UnB, que lançou recentemente o livro "Aquecimento Gobal: ciência ou religião?"

Boa leitura!

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Racialismo - ongueiros esquerdopatas e políticos oportunistas vão emparedar o STF?

O STF marcou para os próximos dias 3, 4 e 5 de março as audiências públicas que debaterão o sistema de cotas para negros adotado por algumas universidades. Em causa a ADIN impetrada pelo partido Democratas, que questiona, entre outras, a afronta a cláusula constitucional pétrea de igualdade de todos perante a Lei.

Já disse antes que este é um dos temas mais importantes para o futuro do Brasil, embora poucos se dediquem a ele como e quanto deveriam. Uma pena. Ongueiros de toda ordem, gente de "movimento", esquerdopatas de vários graus estão a dominar o debate, amparados na mídia desinformada e na ignorância do povo. Falta pouco para que façam a festa da introdução no Brasil de uma racialismo que só pode resultar em preconceito e em desgraça. Na onda, politicos vagabundos surfam impunemente. Em sinal de rendição o STF já se deixou influenciar. Dos 40 painelistas convidados, 28 (70%) são racialistas. Os ratos de seminário aparelham até o STF.

Ai do lado, Reinaldo Azevedo escreve uma ótimo artigo sobre o tema. Mas bom mesmo é o livro de Demétrio Magnoli "Uma gota de sangue". Este sim deveria ser leitura obrigatória desde os últimos anos do primeiro grau.

Sou branco como podem ver. Ruivo, para ser mais exato. Pai de uma filha mestiça que não quero ver tratada diferentemente no Brasil por nenhum motivo, muito menos pela cor da sua pele ou pela espessura de seus lábios.

Lamentarei mais que qualquer derrota, perda, fenômeno, desgraça, acaso ou fatallidade, uma decisão do STF que não seja pela inconstitucionalidade da politica de cotas. Permitir que jovens ingressem na universidade porque são negros em detrimento de outros aos quais por mérito seriam destinadas as vagas significa, em primeiro lugar, sancionar a incompetencia do governo e da sociedade em oferecer estudo universal de qualidade. Em segundo, significa punir o mérito, desestimular o estudo e o esforço do jovem e premiar meramente a cor da pele sobre a qual o estudante não tem nenhum mérito ou demérito. Em terceiro, significa a criação de tribunais racialistas aos quais se submeterão os jovens, gerando injustiças e traumas de importantes. Em quarto, significa clivar definitivamente a sociedade em duas categorias (negros e brancos), quando ela é majoritariamente e crescentemente MESTIÇA, produzindo a partir daí o germe de um apartheid cujas conseuquencias são imprevisíveis. Há muito mais.

Tudo isso para quê? Para saciar o esquerdismo fuleiro e os interesses de ongueiros e "movimentos" vagabundos, e de politicos e aspirantes a políticos que não perdem oportunidade de se promoverem.

Que o governo, "movimentos" no meio, dediquem seus esforços à universalização do ensino. Que não haja um jovem sequer, independentemente da cor de seu cotovelo, a quem seja negado o direito a uma escola gratuita e de boa qualidade. Isto é que realizaria definitivamente a igualdade de acesso à Universidade.

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Carnaval - cada um no seu quadrado

Dei uma fugidinha para vir à cidade só pra dizer que carnaval pra mim é sossego, uma pinga mineira com chouriço e perna de moça (depois explico o que é) em um lugarzinho entre as montanhas de Minas Gerais, sem asfalto e sem telefone. Ô vidão!!!
Juizo e até quinta-feira!

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Comemorar o quê, né Lula?


Em Brasília o carnaval terá um ingrediente não programado - a prisão do governador José Roberto Arruda. A turba está eufórica. Embora estivesse fazendo um bom governo do ponto de vista administrativo, meteu os pés pelas mãos, sucumbiu ao achaque de deputados e caiu na esparrela do mensalão. As imagens foram avassaladoras. Meias e cuecas apareceram como cofrinhos da malandragem. Houve até quem orasse em agradecimento.

Fim de papo. Arruda está preso. Sifu. Comemoramos ou lamentamos? De comemorar, o fato de que desta vez os mensaleiros estão sendo pegos, presos e, certamente liquidados politicamente. Desta vez não haverá ressurreição para Arruda. Seu partido, muito corretamente, aguardou serenamente os fatos e decidiu por chutar-lhe o traseiro. De lamentar, que ainda e não unicamente fatos como este se repitam na política brasileira.

Quem já teve a oportunidade de ocupar cargos na alta administração, seja municipal, estadual ou federal, sabe que não há nada mais difícil do que a relação do executivo com o legislativo. Às claras, desavergonhadamente, a troca de apoio por cargos na administração. No Brasil, vereador, deputado e senador depois de eleitos agem como sócios do executivo. Às escondidas, obras direcionadas, contratação de serviços e, no extremo, dinheiro na cueca. Mensalão.

Os jornais noticiam que, ao invés de comemorar, Lula está triste com o desfecho do mensalão do DEMOCRATAS, como tendenciosamente denominaram o caso na imprensa. Jornalistas importantes não compreendem o presidente. Tenho a minha versão para a tristeza do Lula.

Estamos em um ano eleitoral. O mensalão do PT já foi esquecido faz tempo. Seus mentores, diretores e atores se esgueiraram no tempo e estão de volta à cena em toda plenitude. Voltaram a ocupar a direção do partido e cargos na administração. Foram “restaurados” pela popularidade do Lula. Não interessa ao Presidente que em plena campanha este assunto venha à tona. Ainda que fosse um mensalão do PSDB, mas do DEM? Este tema só servirá para reacender as lamparinas do juízo das pessoas que ainda tem a ética como valor político necessário. As coisas já estavam bem encaminhadas. Este caso só vem perturbar. A oposição poderá dizer solenemente, como sugere o Jornalista Reinaldo Azevedo “Os mensaleiros do DEM foram presos e expulsos do partido, e os do PT?”

Lula é mais esperto do que os lulistas. Neste caso, sua tristeza é sincera.

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Marcio Bittar não dará caneladas. Irá para a Câmara Federal.

Conversei longamente com Marcio Bittar nesta quarta-feira. Não tem muitas esperanças de que o bom senso presida as decisões no campo das oposições. Sabe que tem as melhorees possibilidades, mas não tem obsessão pelo Senado, leia-se, não sairá dando caneladas abrindo caminho para esta candidatura. Manterá sua candidatura à Câmara Federal.

Marcio se sente muito mal no meio deste festival de vaidades que assola a oposição. Não pretende gastar energia e tempo com debates infrutíferos e insanos. Foca na campanha de deputado e ponto final. Sabe inclusive o que fará depois de eleito, tem um plano, sabe aonde quer chegar.

Fora disso a sua maior preocupação é com a posibilidade de que as oposições cheguem superdivididas e, ao final, restem poucos na resistência.

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

O fardo do PNDH-3 é pesado até pra ex-guerrilheira.


"Quem ler a Constituição venezuelana verificará a extrema semelhança entre os instrumentos de que dispõe Chávez para eliminar a oposição e aqueles que o PNDH-3 apresenta, objetivando alterar profundamente a lei maior brasileira. " Yves Gandra Martins, Jurista.

Se a oposição conseguir pendurar o PNDH no pescoço da Dilma, periga ela tombar. Veremos o que dirá, se for ao Congresso Nacional A convocação foi aprovada CCJ sob protestos e promessa do Mercadante de que irá derrubá-la em Plenãrio. Pelo visto, o programa, de inspiração autoritária, vai ficar sem pai nem mãe.

Sinto dizer. Nesta, Jorge está certo. Certíssimo.

Das recentes declarações do ex-Governador Jorge Viana à imprensa acreana, extraio a pertinência da identificação que faz da desunião entre os membros da oposição. Não sei se na Frente Popular a união é 100%, mas o Jorge está certo nessa. Reclamem de outra coisa, mas os caras realmente não se entendem.

Chega a ser engraçada a empáfia, a presunção, a prepotência de setores que dormem sonhando com altos cargos na administração pública (sem nem saber o que neles fariam) e acordam como se estivessem nomeados. Os caras estão numa pindaíba de dar dó, há anos na peia, não conseguem sequer articular um projeto para o Acre e se dão ao luxo de brigar entre si como se a coisa fosse fácil.

Sem contar com as "assessorias". É normal e desejável que dirigentes criem e mantenham seus stafs, mas tem cada um que vou te contar. Desanima qualquer interlocutor.

No lugar desses caras, ao invés de reclamar do Jorge, eu aprenderia a lição e cuidava de harmonizar e qualificar a tropa. Pra não passar vergonha.

O Projeto Ficha Limpa será aprovado onde tem sujo?

Realiza hoje sua primeira reunião na Câmara dos Deputados, o grupo que vai avaliar as propostas de emendas ao projeto de lei da Ficha Limpa (PLP 518/09) e outros projetos sobre o tema em tramitação na Câmara.

A idéia é estabelecer regras que tornem inelegíveis pessoas que perante a Justiça apresentem comportamento indigno da representação popular que, em tese, deve ser realizada pelo que a sociedade tem de melhor.

A opinião pública a favor, os políticos (a maioria) contra. É que pelo projeto Ficha Limpa muito malandro cai fora da política. O PL altera vários dispositivos do inciso I do art. 1º da Lei Complementar nº 64, de 18 de maio de 1990, estabelecendo, por exemplo, a INELEGIBILIDADE dos que:

1. Tenham contra sua pessoa representação julgada procedente pela Justiça Eleitoral em processo de apuração de abuso do poder econômico ou político, para a eleição na qual concorrem ou tenham sido diplomados, bem como para as que se realizarem nos 8 (oito) anos seguintes;

2. Forem condenados em primeira ou única instância ou tiverem contra si denúncia recebida por órgão judicial colegiado pela prática de crime descrito nos incisos XLII ou XLIII do art. 5º. da Constituição Federal ou por crimes contra a economia popular, a fé pública, os costumes, a administração pública, o patrimônio público, o meio ambiente, a saúde pública, o mercado financeiro, pelo tráfico de entorpecentes e drogas afins, por crimes dolosos contra a vida, crimes de abuso de autoridade, por crimes eleitorais, por crime de lavagem ou ocultação de bens, direitos e valores, pela exploração sexual de crianças e adolescentes e utilização de mão-de-obra em condições análogas à de escravo, por crime a que a lei comine pena não inferior a 10 (dez) anos, ou por houverem sido condenados em qualquer instância por ato de improbidade administrativa, desde a condenação ou o recebimento da denúncia, conforme o caso, até o transcurso do prazo de 8 (oito) anos após o cumprimento da pena;

3. Tiverem suas contas relativas ao exercício de cargos ou funções públicas rejeitadas por irregularidade insanável e por decisão irrecorrível do órgão competente, salvo se esta houver sido suspensa ou anulada pelo Poder Judiciário, para as eleições que se realizarem nos 8 (oito) anos seguintes, contados a partir da data da decisão;

4. Detentores de cargo na administração pública direta, indireta ou fundacional, que beneficiarem a si ou a terceiros, pelo abuso do poder econômico ou político apurado em processo, para a eleição na qual concorrem ou tenham sido diplomados, bem como para as que se realizarem nos 8 (oito) anos seguintes.

E então? O Projeto Ficha Limpa vai na medula de um monte de picareta que entra na política por motivos e causas escusas. Se aplicado plenamente faria uma assepsia formidável na política. Difícil é passar. Tenho a impressão de que o bloco dos sujos continuará fazendo a festa no carnaval eleitoral.

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Por que não há cotas para idiotas?

Já disse antes que um dos temas mais importantes em voga no Brasil é, sem que a sociedade se dê conta, a tentativa de alguns grupos de oportunistas, especialmente políticos e ongueiros, de instaurar no Brasil a divisão da sociedade a partir da cor da pele das pessoas.

O STF está para julgar uma ADIN que aponta a inconstitucionalidade dessas politicas de cotas engendradas em mesas de botequim e encontros de curriola. Se o STF se render à patrulha ideológica e à pressão dos racialistas, nem quero imaginar o que acontecerá em 10-20 anos de vigência dessa monstruosidade.

Se voces derem uma olhada no link ao lado (contra a racilaização do Brasil) verão que existe até uma associação de pesquisadores negros na luta por esta iniquidade. Cada um com seu diploma na mão haverão de querer do CNPq, da EMBRAPA, das universidades e de outros centros de pesquisa, uma cota de projetos para pesquisas realizadas por negros. Já imaginou a situação? O Reitor chega pro pesquisador branco e diz "Seu projeto era melhor, mas sabe como é, as vagas de brancos já foram preenchidas. Agora só tem bolsa pra pesquisador negro".

Só um idiota não percebe onde isto vai dar. Creiam. Não dará em coisa boa. Não precisam acreditar em mim. Leiam o livro "Uma gota de sangue" de Demétrio Magnoli e tirem suas próprias conclusões.

O salto da Classe "C" pode ser miragem.

Certa mídia anda eufórica. Segundo estudos da Fundação Getúlio Vargas a chamada classe “C” – aquelas pessoas cujos lares recebem entre R$1.115 e R$4.807 por mês – tornarem-se 49.22% do total da população brasileira. Um salto de quase 12% desde 2003. De fato não é pouco.

O que me chama a atenção na noticia é que o intervalo de classe é muito amplo. O limite superior é 4,3 vezes o limite inferior. Isto significa que um operário que ganha 2,2 salários mínimos pertence à mesma classe social do médico que vai passar no próximo concurso do INSS (inscrições abertas) e ganhar R$ 4.149,89. Faz sentido? Moram no mesmo bairro? Seus filhos estudam na mesma escola? Possuem o mesmo carro? Certamente não, portanto, o operário e o médico NÃO pertencem à mesma classe.

Aplicados os limites à classe B, por exemplo, o sujeito que ganha R$ 4.808,00 pertence à mesma classe daquele que ganha R$ 20.674,40. Também não faz o menor sentido.  Há um vício de origem na estatística.

Outro dado explica parte deste salto fantástico no crescimento da classe “C”. Desconfio que o crescimento mais forte se deu na margem inferior do intervalo de classe. Com o crescimento real do salário mínimo, o sujeito que ganhava 2 salários mínimos e pertencia à classe “D’, hoje continua ganhando 2 salários mínimos, mas mudou de classe pois os dados tomados em termos absolutos permitem a ultrapassagem do limite superior da classe D. Grandes coisas.

Então, caros, eu diria para tomar cuidado com os números. Dependendo da interpretação que se lhes dê enganam mais que cochicho de mulher-dama.

Talidomida - uma justa idenização.

Leio que as vítimas da talidomida serão idenizadas pelo Estado a partir de Lei proposta pelo Senador Tião Viana. A noticia me fez lembrar um vizinho de infância. Chama-se Magno. Olhávamos curiosos aquele garoto sem braços, que não podia brincar conosco na ruazinha onde morávamos. Perdi o contato. Não sei onde está nem o que fez. Mas imagino as dificuldades que teve para alcançar uma profissão interessante, uma vida digna.

Parabéns ao Senador Tião Viana por esta.

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Nos EUA, frio pra nenhum aquecimento global botar defeito


Viram no Jornal Nacional? A capital americana,Washington DC, teve um apagão geral. Ninguém saiu de casa. O gêlo interditou praças e avenidas, travou transportes públicos, derrubou árvores e fiação elétrica, enfim... parou tudo. O Obama não foi trabalhar e Al Gore provavelmente se mandou para uma praia na costa oeste, onde o aquecimento global ainda não congelou seu vinho francês.

FHC perdendo o prumo

Em eleições, o que interessa não são os fatos, mas a percepção que o eleitor tem dos fatos. Por isto, penso que em seu artigo (link aqui ) deste fim de semana no Estadão, FHC parece ter caido na cilada. Uma imensa bobagem querer disputar realizações com o Lula. Nem que o real tivesse acontecido ontem ele ganharia na comparação.

Lula é um líder popular inigualável na história do Brasil. para o povão, tudo que ele diz adquire imediata conotação de verdade. E ele está dizendo que é muito melhor que FHC. Teve até uma herança maldita. É esta a percepção que o eleitor tem dos fatos. Não vai mudar assim, sem mais nem menos.

Se, por outro lado, o FHC queria chamar o Lula para a briga e deixar a Dilma se virar com o Serra, devia ter combinado antes. Foi a Dilma que respondeu. Com isto, deu mais um passo na direção da polarização com FHC e o passado e não com Serra. Tudo que o Lula quer.



Na revista Piauí, aquecimento global é qualquer coisa.

"Aquecimento global é o nome que, à falta de um marqueteiro, os cientistas deram a um fenômeno de longo prazo que se materializa localmente, no dia a dia, por anomalias extremas em todos os sentidos. É calor, frio, chuva e seca, tudo junto. E tudo demais. Sobretudo chuva." Marcos Sá Corrêa  - Revista Piauí

Pronto. Aquecimento global não é mais aquecimento. É qualquer coisa diferente que aconteça com o clima. 

Mas ai nos deparamos com um problema. Se pode aquecer ou frazer frio, fazer seca ou chover, então a causa não pode ser a mesma. Como pode algo que causa calor, causar frio? Como pode algo que faz chover, fazer secar? Fosse gente, a lógica cairia durinha da silva com uma punhalada dessas.

O artigo do Marcos Sá Corrêa aqui, da revista nada conservadora Piauí, entrega os pontos. O CO² não tem nada a ver com isso.

PEC 358/2005 - contra o nepotismo

É bem conhecido o nepotismo que grassa na administração pública brasileira. Sob ataque da opinião pública, ultimamente algumas iniciativas de combate a esta chaga estão sendo levadas a efeito, principalmente no Legislativo.

Está chegando a vez do Judiciário. Além de medidas tomadas sob decisão do Conselho Nacional de Justiça, a PEC 358 que está na pauta da Câmara dos Deputados consagra "No âmbito da jurisdição de cada tribunal ou juízo, é vedada a nomeação ou designação, para cargos em comissão e para as funções comissionadas, de cônjuge, companheiro ou parente até o segundo grau, inclusive, dos respectivos membros ou juízes vinculados, salvo a de servidor ocupante de cargo de provimento efetivo das carreiras judiciárias, caso em que a vedação é restrita à nomeação ou designação para servir junto ao magistrado determinante da incompatibilidade.”

Antes tarde do que nunca.

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Mude o tom Marina. Emoção NÃO ganha eleição.

Vi hoje algumas análises sobre o programa da Marina que foi ontem ao ar em 10 minutos de horário nobre. Não sou do ramo. Não sou publicitário, marqueteiro, nem sequer jornalista. Sou apenas atento. E atento assisti ao programa do PV. Sinceramente, achei uma perda de tempo. Explico.

Obviamente o programa deveria servir desde já para projetar a Marina como candidata à presidência, do contrário ela não teria ocupado todo o tempo. O que o eleitor de 2010 espera da presidência? Mais uma história de vida cheia de dificuldades? A pobrinha que chegou lá? Mais uma filha do Brasil? Esqueçam. Esta vaga já foi preenchida sem direito a banco de reserva.

A Marina não vai encantar o eleitor com uma fala mansa monocórdia e uma muleta, mesmo que seja um muleta de respeito como Chico Mendes. Aquilo ali é conversa pra assembléia de companheiro ou do Fórum Social Mundial, o que dá no mesmo.

Marina perdeu a oportunidade de referir aos problemas brasileiros. Temos uma penca deles. Sei. Alguém dirá que ela fará isto na campanha, que por enquanto se trata de fazê-la conhecida. Bobagem. Ela foi Ministra por mais de seis anos. É suficientemente conhecida por aqueles a quem fascina aquele discurso e aquela estética. Quem não conhece a Marina precisa conhecer sua interpretação das questões nacionais e confiar na sua capacidade de resolvê-las de modo eficiente. Ela não demonstrou isso.

A dona de casa que assistiu ao programa seguramente não ficou impressionada, achando que a Marina tem mais capacidade de governar o Brasil que os outros candidatos. Talvez tenha ficado tocada com o enredo, mas a sua emoção é de outra natureza, é sentimental, e não acredito que eleitor tenha sentimentos. Ele tem expectativas.

O trabalhador que assistiu ao programa, mesmo que tenha alcançado algum nível de identificação pessoal com a Marina, dificilmente terá sido atraído pela sua demonstração de capacidade de gerir a economia, de promover o crescimento, a geração de empregos etc. Os calos onde seu sapato aperta nem sequer foram identificados pela Marina.

O empresário que assistiu ao programa, mesmo que seja descolado, do tipo “boticário”, seguramente não está interessado naquelas obviedades. Ele quer saber é da política fiscal e monetária de um provável governo Marina.

Resta a juventude. Esta, provavelmente, está mais “ligada" na mensagem transmitida pelo programa. Mas está já está contabilizada, a Marina precisa “ir pra cima” é dos outros.

Se a Marina, porém, como sugeriu o Edilson Martins em recente artigo publicado no Blog do Altino Machado, não tem chances mesmo e pretende apenas botar seu bloco na rua, vá lá... afine o violão, cante uma canção para embalar o coração do brasileiro, mas esqueça o voto. Emoção NÃO ganha eleição.

Há mais que histórias de bombeiros a serem contadas do Haiti.

O trecho abaixo é de uma excelente entrevista do historiador Mario Mestri ao "Brasil de Fato". A entrevista completa pode ser vista no link do Constroversia aio do lado.

Mário Mestri

"A grande imprensa do Brasil, com destaque para a Globo, retoma a proposta internacional de tratar o Haiti como Estado falido. Ou seja, nação incapaz de se organizar e reger por si só, tendo que ser monitorada, para seu bem. Como está ocorrendo agora! Uma volta aos tempos dos protetorados. A reconstrução pode constituir balão de ensaio para uma gestão não-nacional de territórios por órgãos internacionais, não-estatais etc. As grandes catástrofes são os melhores momentos para o capital realizar reorganizações estruturais de populações e recursos. Nuvens terríveis cobrem os horizontes do povo haitiano. Os trabalhadores e todos os homens e mulheres de bem do país devem se mobilizar contra isso. A primeira exigência deve ser a imediata saída das tropas de ocupação brasileiras do Haiti, substituídas por médicos, enfermeiros, engenheiros, agrônomos. Temos que ajudar a plantar a vida, não a morte, nesse país glorioso. Se o Nelson Jobim quiser voltar fantasiado ao país sofrido, que seja de médico!"

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Depois da cotovelada de Ciro, Zé Dirceu dá de ombros e se manda.

Duvido que Ciro Gomes tenha dito o que disse sem esperar uma bordoada de volta. Mas, pelo que disse o Zé Dirceu, o Ciro vai ficar falando sozinho. É justamente o que diz José Serra todas as vezes que leva uma canelada do Ciro.

Se, como dizem na imprensa, o Lula escalou o Ciro pra bater no Serra a partir da disputa de São Paulo, Zé (o Dirceu) acaba de sancionar o argumento do outro Zé (o Serra) que bem poderá repetir "Se Zé (o Dirceu) não dá a mínima para o que diz o Ciro, porque vou eu lhe dar ouvidos?".

A continuar assim, a maior arma do Ciro (o verbo) vai atirar na água.

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Ciro Gomes, pra variar, dá uma cotovelada.

Tive a satisfação de trabalhar com o ex-Ministro Ciro Gomes, no primeiro ano de sua gestão no Ministério da Integração. Não posso dizer que o conheço bem, mas posso afirmar que o observei bem. Tenho cá meu julgamento.

Posso, por exemplo, garantir que se trata de uma mente invejável. Um sujeito que guarda referências simples, mas emblemáticas, que o auxiliam tremendamente na discussão de um detrminado tema.

Muitas vezes o ouvi falar de assuntos que, tenho certeza, não dominava completamente. Mesmo assim parecia um especialista. Tem uma capacidade incrível de comunicação sem ser um "animador de auditório". Sem cair linguagem de botequim, seus termos nos fazem acreditar com facilidade naquilo que propõe.

Um aspecto que lhe é peculiar é a sua incapacidade de conter-se quando algo o incomoda muito. Veja-se a entrevista que deu nesta quarta-feira para a jornalista Eugênia Lopes, de O Estado de S. Paulo. Lá pelas tantas, mandou o pau no lombo do Zé Dirceu sabendo que este é "o cara" por trás "do cara". Tanto que o acusa de estar selando acordos estaduais, acordos estes que tiram o PSB da cena e, consequentemente, fragiliza sua candidatura à presidência.

Ciro Gomes cometeu erros enormes nas vezes que foi candidato à presidente. Sabe disso e se penitencia. Desta vez, sem brigar com o Lula, a quem serviu como Ministro e serve como líder importante, postula a sucessão contra a candidata oficial. No íntimo tem graves divergências com o Lulismo e com o PT. Não quer ser continuador de coisa nenhuma. Propõe-se um pós-Lula, algo bem parecido com o que acenou em certo momento o governador Aécio Neves com quem, aliás, andou de braço dado recentemente. Pelo jeito como foi pra cima do Zé, não se incomoda que a corda quebre. Mesmo que seja do seu lado.

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Pesquisas eleitorais. Bah! Quem acredita nelas? III

Ainda sobre pesquisas eleitorais, no site http://coturnonoturno.blogspot.com/ tem tudinho sobre as fraudes das últimas. Facinho de entender.

Pesquisas eleitorais. Bah! Quem acredita nelas? II

Ainda sobre as pesquisas eleitorais recentes. Vejam o artigo do Chico Bruno no blog da Adriana Vandoni. aqui

Vem ai a bolsa-ôlho rôxo.

Esta eu retirei da página da Câmara dos Deputados: "A Câmara analisa o Projeto de Lei 6509/09, da deputada Aline Corrêa (PP-SP), que destina benefício de R$ 60 às famílias que tenham entre seus integrantes mulheres vítimas de violência (de qualquer natureza), adolescentes que usam drogas e bebidas e crianças e adolescentes vítimas de abuso ou exploração sexual."

A bela deputada paulista, filha do ex-Deputado Pedro Correa, pego no mensalão em 2006,  quer criar a bolsa-ôlho rôxo. Se conheço um pouquinho das coisas, vai ter fila de BO nas delegacias do Brasil inteiro. Não é uma preciosidade?

Eba! Hoje é o dia das zonas úmidas

Ecologista de modo geral é um sujeito muito criativo. Não sei se voces sabiam, mas hoje, 2 de fevereiro, é um dia muito importante. É o dia mundial das zonas úmidas. Leio no portal Ambiente Brasil:

"As zonas úmidas estão entre os ambientes mais produtivos do mundo, considerados armazéns naturais de diversidade biológica... o uso humano de uma zona úmida permite a obtenção de um máximo de benefícios de maneira contínua para as gerações presentes, ao mesmo tempo que se mantêm o potencial para satisfazer as necessidades das gerações futuras".

Concordo plenamente. Vou até convidar minha esposa para comemorar.

Alguém viu o Serra?

Diz o noticiário que as recentes pesquisas mexeram com os nervos de muita gente. Na situação, euforia. A pressão do homem até subiu. Na oposição, preocupação e irritação com a passividade do Serra. O homem não mexe um músculo.

Os números da preferência do eleitorado apresentados na última pesquisa, salvadas a minha desconfiança e as restrições gerais em termos de pesquisa (quem faz, como, quando, aonde e por que) não vejo nada demais. Como disse anteriormente, enquanto a Dilma está com seu carro na pista há anos, inaugurando obras, quase obras, meias obras e projetos de obras, alavancada por um presidente que indiscutivelmente caiu na graça do povo independentemente do que faça ou deixe de fazer, Serra está no Box, engraxando as peças e escolhendo a roupa. Quando sair, estará uma volta atrás.

Segundo Serra, seu carro não está pronto. Se sair agora periga derrapar na primeira curva. Além do mais, o juiz não deu a largada. A Dilma não quer saber de juiz. Deu ela mesma a largada e pisou no acelerador. Quando o juiz acordar a corrida já começou faz tempo.

A superexposição da Dilma na mídia obedece a um modelo clássico de propaganda. Quem não é visto não é lembrado. Em determinado momento perceberam que a ministra era desconhecida por uma parcela importante da população. Então, penduraram-na nos ombros do presidente e dá-lhe viagem, discursos e palanque. Até de enfermeira do Lula já posou. A estratégia do Lula é Dilma – Dilma é Lula está em curso.

Quando começar a campanha legalmente permitida, provavelmente estarão empatados ou, muito provavelmente, a Dilma estará na frente alguns pontos. Caberá ao Serra tirar a diferença apostando na fragilidade da Ministra. O PSDB está certo de que a famosa competência da Dilma não resiste a um debate com o Serra. Terá que convencer o eleitor de que é mais capaz de manter a boa fase da economia, inovar e até melhorar os programas do governo do que a Dilma. Isto com o Lula dizendo que não.

Algo me diz que o tempo é curto, que a economia labuta a favor do Governo, que a Dilma terá um tempo enorme na TV, que o Lula se manterá permanentemente na fita eleitoral da Dilma, que os empresários estão satisfeito$, que o aparelho $indical está azeitado, que a juventude não está nem ai e, ao final, o eleitor se perguntará: mudar pra quê?

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Pesquisas eleitorais. Bah! Quem acredita nelas?

Tá um tititi danado por causa das pesquisas recentes que dão crescimento da Dilma . Tanto que provocou um comentário do Lula "com um resultado desses não tem pressão que não suba".

Sinceramente, da experiência que tenho com pesquisas eleitorais fico com o velho finado Antonio Carlos Magalhães que dizia "Só confio nas pesquisas que eu mesmo manipulo".

Aquecimento Global - Richard K. Moore mostra como os dados e os modelos são ajustados à teoria

Querem ler um texto fácil e equilibrado sobre o aquecimento global? Richard K. Moore escreve um artigo assim. Está no site Controversia (lik ai do lado). Se quiser ir direto é aqui

Trocando o aquecimento global pelo Kama Sutra - bom negócio

De acordo com o jornal britânico "TheTelegraph" Rajendra Pachauri, aquele indiano barbudinho que faz dupla com Al Gore não põe lenha apenas na fogueira do aquecimento global. Recentemente ele lançou um romance que escreveu entre uma e outra conferência sobre o clima.

Segundo o jornal, o livro (Retturn to Almora) conta a história de um indiano em viagem espiritual. O que chamou a atenção dos críticos foram as tórridas e freqüentes relações sexuais descritas detalhadamente pelo Rajendra. De clima, nem tanto, mas de Kama Sutra o homem entende.

Sei não... não li o livro, mas desconfio que o Nobel de literatura ele não ganha.

Aquecimento Global – nos EUA cai drasticamente a confiança na mídia aquecimentista, nos cientistas e na teoria AGA.

Esta noticia você não vai ver na Globo nem nos jornais, mas de acordo com pesquisa recente realizada nos Estados Unidos pelas universidades de Yale e George Mason aqui, de 2008 para cá caiu em 14% o número de americanos que acreditam que está havendo um aquecimento global. Caiu de 47% para 36% os que acham que a culpa é da ação humana. Alem disso apenas 50% se dizem preocupados com esta questão – uma queda de 13% em relação a 2008.

Em outro ponto da pesquisa ficou demonstrado que diminuiu em 11% a confiança dos americanos na imprensa quando o tema é aquecimento global.

Em outra pesquisa, realizada pelo Pew Research Center aqui, numa lista de 21 prioridades para 2010, os americanos posicionaram o aquecimento global em ultima. Americano tá mais preocupado com a imigração do que com “o fim do mundo” previsto por Al Gore.

Mesmo com tanta propaganda pró-aquecimento, Oscar, Prêmio Nobel, Al Gore, ONU, COP 14, COP 15, Obama, Príncipe Charles, Bonno Vox... os americanos começam a duvidar que seu aquecedor doméstico esteja danando o planeta. Nada como o tempo passando para que as verdades sejam percebidas.