quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Crivella é Ministro da Pesca. Rede de malha fina é com ele.

Sabemos todos que a Igreja Universal do Reino de Deus, aquela que chuta santa e vende milagres a qualquer preço todos os dias na TV, alcançou tal força no Brasil que põe e dispõe de deputados como se fossem (talvez sejam mesmo) estafetas de seus autoproclamados bispos. Acharam pouco atuar no varejo e praticamente criaram um partido, o PRB, de onde exercem pressão política sobre o governo sempre que algum tema, negócio ou cargo é do seu interesse. É no que dá misturar política e religião. Na TV acoitam governistas, repercutem as boas notícias do governo, amenizam a crítica e, eventualmente, como no caso rcente do Gilberto Carvalho, lançam ameaças. Faltava estar oficialmente no governo. Não falta mais, pois o Senador Crivella, sobrinho do dono da igreja agora é o Ministro da Pesca, aquele criado para isso mesmo, ou seja, para ser preenchido por fisiológicas nulidades.

De qualquer sorte temos de agora em diante uma grande expectativa. O Bispo-Senador Marcelo Crivella não é qualquer um, não é um bispozinho das periferias nordestinas, é um membro tão alto da Igreja do Edir Macedo que somente o próprio estaria um degrau acima, deve ser um fazedor de milagres pra Valdemiro (aquele do chapéu) nenhum botar defeito. Com um Bispo-Ministro deste quilate, pelo menos em tese peixe é o que não vai faltar.

Só uma coisinha me incomoda. Se numa cidadezinha do interior do Piauí a igreja do Edir não tem dó do freguês e lhe arranca até o último centavo que sua fé permita, o que não faria num Ministério? Oremos.

Dona Dilma, o Acre existe. (2)

Abaixo, em azul, a Agenda da Dilma, conforme publicado no Noblat.

Agenda de Dilma 29/02/2012
11h - Paulo Sérgio Oliveira Passos -Ministro dos Transportes
Palácio do Planalto

A dona Dilma tem o dia todo para despachar com aquele ministrinho que se segura na brocha já que sua escada foi retirada pelo PR. Não deve ser algo que leve da presidente mais que meia horinha, né?
Como se vê, ela não anda tão ocupada que não possa dar um pulinho no Acre ou receber em audiência os três senadores e os oito deputados acreanos para tratar da calamidade pública em que vive a maior parte do Estado. Por que será que ela não vai nem recebe a bancada acreana?

Hipótese 1 - Ela não sabe que o Acre existe.
Hipótese 2 - Ela sabe que o Acre existe, mas não sabe onde fica.
Hipótese 3 - Ela sabe que o Acre existe, sabe onde fica mas não conhece o pessoal de lá.
Hipótese 4 - Ela sabe que o Acre existe, sabe onde fica, conhece o pessoal de lá, mas ainda está magoada com o resultado das eleições.
Hipótese 5 - Ela sabe que o Acre existe, sabe onde fica, conhece o pessoal de lá, não está magoada com o resultado das eleições, mas sabe que a turma vem de pires na mão e não está afim de soltar a verba.



terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Dona Dilma, o Acre existe.

Copiei do Noblat a Agenda de hoje da dona Dilma. O dia inteiro apenas para entregar 480 unidades habitacionais em Recife. Deve ser um daqueles conjuntos de casinhas do Minha Casa Minha Vida (que vida!). Enquanto isso, no Acre, milhares de casas foram levadas ou se encontram irremediavelmente comprometidas pela enchente, e dona Dilma nem ai pro azar. É como se o Acre não existisse.

Agenda de Dilma 28/02/2012


10h - Cerimônia de entrega de 480 unidades habitacionais do Conjunto Habitacional Via Mangue -Residencial II Comunidade Encanta Moça, Bairro do Pina, próximo ao Bairro de Boa Viagem, Recife(PE)


12h - Chegada à Base Aérea de Recife


12h10 - Partida para Brasília (DF)


Base Aérea de Recife


14h30 - Chegada a Brasília


Base Aérea de Brasília



segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Alô dona Dilma. Óia um tiquinho por nóis...

Abaixo, copiado do Blog do Noblat, a Agenda da dona Dilma para hoje.

Fico pensando o que tem na obra do metrô, num conjunto habitacional e num mirante em Fortaleza que é mais importante do que 120.000 alagados no Acre. Para quem foi eleita como a mãe dos pobres...

Alguns insistem que a dona Dilma tem birra porque perdeu por aqui para o Serra. Não acredito. O próprio Lula amargou derrota para o Alckmin, era portanto de se esperar que tal acontecesse, ainda mais com a Marina no páreo. Prefiro achar que se trata de (des)importância relativa. É como visitar parente pobre que mora longe. O sujeito até se lembra, mas daí a pegar a longa estrada e ainda se arriscar a receber cobrança vai uma grande distância.

Agenda de Dilma 27/02/2012


08h30 - Partida para Fortaleza (CE)


Base Aérea de Brasília (DF)


10h50 - Chegada a Fortaleza


Base Aérea de Fortaleza


11h30 - Deslocamento, em metrô, para a Estação Virgílio Távora


Estação Raquel de Queiroz, Fortaleza (CE)


12h - Cerimônia de anúncio de investimentos para a implantação da . linha Leste do Metrô de Fortaleza


Estação de Metrô Virgílio Távora


15h30 - Visita às obras do trecho V do Eixo de Integração Castanhão- Pecém


Caucaia (CE)


16h40 - Visita ao Mirante Rosa dos Ventos do Projeto Vila do Mar


Fortaleza (CE)


17h - Visita ao Conjunto Habitacional Vila do Mar III


Bairro Cristo Redentor


18h20 - Partida para Recife (PE)


Base Aérea de Fortaleza


19h30 - Chegada a Recife


Base Aérea de Recife

domingo, 26 de fevereiro de 2012

O Acre não precisa de esmolas. Nem do governo federal nem de deputado demagogo.

Já passam de 120.000 os atingidos pelas enchentes no Acre. Pode parecer pouco para alguns mas isto representa mais de 15% da população do Estado. Uma enormidade. Em termos proporcionais é como se no Rio de Janeiro, onde costumam acontecer catástrofes do gênero, 2.500.000 de pessoas estivessem sofrendo com a invasão das águas. O que aconteceria com o Rio de Janeiro em uma situação dessas? Será que Sérgio Cabral se contentaria com a visitinha de ministros de segunda categoria e com as esmolas por eles deixadas?

Não consigo compreender que a dona Dilma não tenha saído do seu carnavalzinho para ir ao Acre (seria a primeira vez) ver pessoalmente a situação dos acreanos. Não dá pra entender que a Ministra da Casa Civil não tenha se manifestado pessoalmente e com a preocupação que os acreanos merecem. Não dá pra aceitar que tudo o que o governo federal tem para oferecer é uma merreca de cinco milhões de reais que não custa um dia dos cartões corporativos de seus membros. É uma vergonha.

Por estas e outras é que logo em seguida vejo embusteiros de marca maior dando uma de generosos e oferecendo parte do salário que recebe na Câmara dos Deputados. Quando faltam políticas e políticos sérios é hora de aproveitadores e demagogos. Deputado que abocanha a verba idenizatória com notas de serviços não realizados e a folha salarial do gabinete com funcionários fantasmas de repente fica bonzinho e quer dar uma ajudinha (deve ser pra ir pro céu, né amiga?).

O Acre não precisa de esmolas! Cinco milhões multiplicados por dez ainda seria pouco. As cidades não possuem recursos para reconstruirem-se, o Estado se sustenta com a corda no pescoço, a economia patina por falta de uma política nacional de desenvolvimento para a Amazônia, nos impedem todas as possibilidades de crescer e na angústia de uma enchente como esta aparecem com suas migalhas e seus discursos prontos. Cambada!



sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Alma não tem cor




O jornalista Paulo Henrique Amorim, aquele do "E ai, tudo beeeeeeeeeeem?", foi condenado em ação de racismo movida pelo também jornalista Heraldo Pereira, da Globo. O principal motivo foi a expressão usada para se referir ao Heraldo que, segundo ele, é um "negro de alma branca". Vai ter que se retratar e pagar 30.000 reais de multa. Acho pouco.

E se Paulo Henrique Amorim o tivesse chamado de "negro de alma negra"? E se alguém chamar o Paulo Henrique de"branco de alma branca"? Ou, de "branco de alma negra"? É racismo? É sim. Em qualquer das hipóteses a referência à cor da alma deixa implícita uma cor contrária, sendo uma negra e outra branca. Não resta dúvida de que a "alma negra" significa uma depreciação do negro, este, obviamente, associado à cor negra. Não há, portanto, que se falar em cor da alma a não ser para exprimir conceitos racistas.

Em suma, como disse Chico César, alma não tem cor.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

O que está acontecendo com nossas meninas?

Eu estava dando uma atualizada em alguns dados e topei com um que deveria fazer pensar as autoridades. Entre os estados brasileiros, o Acre é o estado de maior taxa de fecundidade na faixa entre 15 e 19 anos de idade. Até ai nenhum problema, afinal algum teria que ser o campeão. O problema é que em todos os outros a taxa vem caindo fortemente, menos no Acre que manteve entre 2000 e 2008 o mesmo nível, apresentando uma taxa de 0,14 contra 0,05 do Rio G. do Sul e do Distrito Federal. É quase o triplo! Mesmo em lugares como Roraima onde a grande presença indígena leva ao rebaixamento da idade fecunda houve uma queda acentuada (de 0,16 para 0,12) no mesmo período. Em Rondônia o índice caiu de 0,13 para 0,09. O que (não) está acontecendo no Acre que explique tais dados?

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Oposição no Acre. Uma nau sem rumo? Aguardemos.

O texto abaixo é o discurso/artigo do Deputado Marcio Bittar publicado pelo Altino Machado, de onde copiei. Não sei quem escreveu, já que a palavra escrita não é exatamente uma das habilidades do deputado, mas, se assinou, é dele e pronto. Como conheço um tiquinho o parlamentar, faço ao estilo Reinaldo Azevedo, um azul e vermelho com o texto. Eu em azul.

ACRE SEM DIVISÃO ENTRE BEM E MAL

O autor esqueceu que o título tem que ser uma representação imediata da idéia central do texto. Neste caso o texto não discute com profundidade o maniqueísmo que o título denuncia nem tampouco a harmonia que anuncia. Desconfio que o título foi dado por quem não escreveu.

 Após quase 16 anos de governo petista, o Acre abriu mão de suas potencialidades e aprofundou seus desequilíbrios sociais e econômicos. O povo acreano pode ousar mais e, neste momento, surge um cenário ideal para renovar esperanças e formular projetos, com parcerias políticas ousadas, voltadas para construir um novo modelo de políticas públicas que promova o crescimento econômico e o desenvolvimento de nossa gente, zelando nosso patrimônio ambiental e o transformando em fruto que traga verdadeiras melhorias ao nosso povo.

O autor deveria explicar de onde tirou que "...neste momento surge um cenário ideal para renovar esperanças e formular projetos, com parcerias ousadas....". (Negrito nosso). Tá falando de quê? Poliana andou visitando o tucano? A crise bate à porta, o governo reduziu a meta de crescimento, vem por ai uma redivisão do FPE e FPM que não se sabe no que vai dar, os paises centrais estão exportando gente, estamos cada vez mais nos desindustrializando, a carga tributária bate nos 38%, os juros são ainda estratosféricos (senão, a inflação volta) e o sujeito vem me falar de cenário ideal?


O Acre é detentor de uma história revolucionária, mas, lamentavelmente, a política do nosso Estado deixou de permitir um confronto franco de ideias e posturas acerca das nossas mazelas sociais.


Vivenciamos uma oligarquia que, para se perpetuar no poder, sustenta-se na imensa estrutura estatal e nas instituições privadas dependentes do governo. Este é o momento de nos reencontrar com nossa história, e entender que existe um único Acre, em que é possível e desejável a convivência dos contrários. Precisamos deixar para trás esse período de opinião única, em que divergências são tratadas como uma ofensa.

A superficialidade com que trata aquele que deveria ser o tema central do texto (ver o título) demonstra uma certa covardia. Por que não diz com todas as letras quais as instituições vassalas do governo petista? Não vale argumentar que "todo mundo sabe" etc.

Nós, da oposição, oferecemos um plano de governo que pretende fazer as correções necessárias, mantendo o que de bom está em andamento, mudando para melhor o que precisa mudar, mas, principalmente, permitindo que as diversas forças políticas possam conviver, sem medos ou ameaças. A marca do nosso governo deve ser a tolerância.

Onde está o "Plano de Governo"? Por enquanto o que está ai é um discurso frouxo, feito para não assustar os aliados do governo.  

Não podemos esquecer que a política tem como maior desafio, incluir pessoas. Contemplamos um Acre em que a inclusão ainda é um projeto não alcançado. Este, então, é nosso grande desafio: Oferecer uma alternativa política que inclua o acreano em um processo de desenvolvimento de longa duração, tendo como eixo central três pontos:


1 - Transformar o Governo do Estado em indutor do crescimento econômico - Portanto, no estabelecimento de políticas públicas devemos buscar, incessantemente, o profissionalismo, promovendo a pesquisa, a qualificação dos seus quadros técnicos e o financiamento para a garantia do desenvolvimento do Estado.

Quando em um texto se diz "portanto" dá-se sempre a impressão de que o que vem a seguir depende do que foi dito antes. Neste caso, nada tem a ver com nada. Não parece saber o que é "indução do crescimento econômico" e muito menos o que está ao alcance das políticas estaduais.

2 - Entender a democracia como instrumento do desenvolvimento - Também devemos colocar a democracia no centro do debate sobre desenvolvimento, e nesse modelo de gestão o reconhecimento da liberdade da imprensa é ponto central e inegociável. É fundamental, também, garantir que nenhum programa de Estado será interrompido, mas sempre aprimorado. Uma nova forma de administração deve garantir que ninguém mais será perseguido ou ameaçado por conta de sua opção eleitoral.

Como é que é? O Acre não cresce por falta de democracia? Que bobagem. Quer dizer que nenhum programa será interropmpido? E se não prestar? Estamos mal se um novo governo entra e diz que vai continuar tudo, inclusive o que não serve. Nem a situação diria tanto.


Não podemos aceitar a perseguição àqueles que pensam ou votam de forma diversa. Governaremos buscando a unidade do Acre e dos acreanos e não a divisão simplista entre bem e mal. Devemos governar para todos, reconhecendo que nossa história, nosso futuro e nossa sociedade não podem ser divididos entre torcidas partidárias. Prefeitos e governador não precisam ser do mesmo partido. A transigência e a ponderação serão nosso lema e governaremos sem ódios, rancores ou truculência.

Tro-ló-ló, como diria FHC.


3 - Incluir o Acre e os acreanos – Nosso projeto político contemplará, em primeiro lugar, a inclusão dos cidadãos. O modelo deve refletir o esforço do nosso Governo na busca de políticas públicas que consigam responder às necessidades, potencialidades e direitos da população historicamente desassistida.


Devemos buscar, também, o comprometimento de lideranças políticas nacionais com uma política de investimento e de crescimento econômico do Acre, de forma a garantir a elevação do nosso IDH, evitando a fuga da nossa maior riqueza, que é o capital humano.

O Acre não pode permanecer incorporado marginalmente ao processo de crescimento econômico brasileiro e o país deve parar de enxergar o acreano como um potencial inimigo da floresta.

A premissa é falsa.  O Acre NÃO é tido como inimigo da floresta. Pelo contrário. Tudo o que foi feito  e o que não foi feito no Acre nos últimos anos tem como pressuposto um vínculo efetivo entre governo e preservação. Obviamente, a conslusão é falsa. Nunca se investiu tanto no Acre.


Sinteticamente, a conquista do crescimento do Acre exige um estado eficiente, competente e democrático, que possa propor e implementar parcerias para resolver as principais carências da população com alternativas e soluções particulares para situações específicas, ou seja, o Acre deve experimentar um modelo de governança que privilegie a capacidade de planejar, formular e programar políticas e cumprir funções.

Sinteticamente, a síntese é uma bobajada tal que inclui um "ou seja" que não liga o antes com o depois, ou seja, um governo pode ter capacidade de "planejar, formular e programar políticas e cumprir funções" e não resolver carência a carência da população....


E é com esses pontos que nos comprometemos, buscando abrir janelas e portas para arejar o modelo político e reacender as esperanças do Acre.

Mais tro-ló-ló.


Márcio Bittar é deputado federal do Acre pelo PSDB

Finalizando. Se todo o acúmulo da oposição tucana no Acre se restringir ao que foi dito pelo deputado, sei não... Tá muito fraquinho. Parece que andou pra trás. Alôôôôôôô! Este discurso ai tá velho, é de 2002! Está na hora de dizer O QUE VAI FAZER. A julgar pelo texto, a cena que me vem à mente é a do cachorro que corre atrás do carro e quando o carro pára ele não sabe o que fazer com aquele monte de ferro.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Se a oposição for depender de embusteiros assim...

Assisti hoje a performance de um embusteiro discursando na TV Câmara. Falava  em nome da oposição ao governo do Acre e prometia um plano de governo ancorado no profissionalismo, na competência e na democracia. Um governo assim não tem a cara do Rui Birico?

O Reinaldo Azevedo fez a ministra aborteira pedir arrego.

Asim como creme dental que saiu do tubo, não há quem devolva as palavras ditas quando são registradas por escrito, ainda mais em tempos de internet. Botou na rede, babau. É o caso da aborteira do governo que agora, poucos anos depois da entrevista que deu à jornalista Joana Maria Pedro, publica nota desdizendo o que disse. É também covarde. Depois que o maior blogueiro e maior jornalista brasileiro, Reinaldo Azevedo, publicou a entrevista completa (publiquei antes aqui um pequeno trecho) a ministra quer dizer que não foi bem assim. Sem chance minha senhora! Vai ter que enfrentar seu passado assassino.

Ministra das Mulheres agora nega, em nota, que tenha ido à Colômbia aprender a fazer aborto. Vai ver eu inventei tudo, né?

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

A abortadeira que tomou posse se emociona com o passado. Ela não se emociona é com o futuro das criancinhas que matou.



A abortadeira e abortista tomou posse hoje no Ministério da dona Dilma. Assisti pela TV uma parte da cerimônia, justamente aquela em que ela relembra e homenageia  a guerrilha de que participou e os guerrilheiros, um em particular. A julgar pela entrevista que deu à jornalista Joana Maria Pedro em 14/10/2004 dever ser um daqueles com quem ela transava sem cerimônia porque transar é um ato libertário. Percebi que um General postado na primeira fila não parece ter gostado.

Nem imagino de onde tirou a emoção que demonstrou, mas pareceu verdadeira. Ela não se emociona é com o assassinato de crianças nos ventres maternos, não se importa com a vida de fetos que não desejados por suas mãe irresponsáveis tem suas vidas interrompidas por sugadores, esmagadores ou drogas que os expulsam do seu ambiente temporário. Ela quer que, sob a tutela do estado e a pretexto de preservar o mando da mulher sobre o próprio corpo, milhões de corpos pequeninos sejam despedaçados e jogados nas lixeiras imundas dos hospitais brasileiros como se fossem dentes cariados. Ela não se emociona com a vida inocente. Eleonora Menicucci prefere guardar suas lágrimas para os que lutaram com armas para implantarem no Brasil uma ditadura comunista, seguramente tão assassina quanto as suas inspiradoras na Europa, na Ásia e em Cuba.

Ao seu lado a dona Dilma declara que a nova ministra atuará nos termos do governo (só faltava dizer que a novata atuaria CONTRA o governo), o que equivale a dizer que não terá carta branca para pregar o abortismo. Sei não. A dona Dilma apenas tenta sossegar espíritos cristãos que começam a perceber o embuste que apoiaram.

O terrorismo climático em crise. Com o queixo tremendo ninguém aguenta falar em aquecimento global.

Enquanto as temperaturas despencam e matam centenas na Europa, forçando, por exemplo, o Governo alemão a religar suas usinas nucleares para gerar calor e aquecer um tiquinho suas peles brancas, no mundo todo a moral e os argumentos dos alarmistas derretem como sorvete no Saara. Leiam abaixo.

TERRORISMO CLIMÁTICO: O AQUECIMENTO GLOBAL JÁ ERA !!! A FARSA ACABOU !!!...: O TÃMISA CONGELADO EM 1684 / PINTURA ABRAHAM HONDIUS David Rose, 28 de janeiro de 2012 (Tradução M...

Sobre as greves dos policiais.

O núcleo da bagunça é a expectativa criada em torno da PEC 300. Deputados irresponsáveis e oportunistas deitaram e rolaram entre os policiais prometendo votar e aprovar a medida. Sempre se soube que não seria possivel. Simplesmente não há grana nos governos estaduais para que todos tenham o tratamento que recebem os policiais no Distrito Federal. Lá, um capitão da polícia ganha mais que um General de Exército, um tenente ganha mais que um professor universitàrio com Doutorado e antes de aprender a ajeitar o quepe um soldado já ganha cerca de R$ 4.000,00 (quatro mil reais) mensais.

A saída esperta foi pendurar a conta excedente no Governo Federal que não aceita o fardo. E faz bem. Dá pra imaginar um soldado de policia ganhando 4 vezes o salário de um professor formado? Duas vezes o salário de uma enfermeira? O mesmo que um professor universitário? Não se trata do valor salarial em si. Em termos absolutos até pode ser pouco. Duro é quando comparamos, né? É claro que em uma situaçao dessas se criaria um movimento de reivindicações nas outras categorias que tornaria o pais inadministrável.

Na verdade os deputados que apoiavam a PEC 300 sempre souberam disso e enganaram os policiais apostando que o Governo Federal impediria a votação e arcaria com o ônus. Deram corda a um monstro. Estava funcionando. Só que o processo de organização não parou nas eleições de 2000 e hoje às vésperas de novas eleições os policiais reapresentam a conta com mais vigor. Aprenderam que um policial assusta a gente e muitos policiais assutam muito mais. Iniciaram as paralisações conforme o manual de seus partidos politicos e pretendem encostar os governos estaduais e o federal na parede. Os maiores prejudicados, nós mesmos e nosso patrimônio ficamos nas mãos dessa gente. É o Brasil!

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

O que a Ministra acha lindo eu acho um crime inominável.

O papinho que se segue é um trecho de uma entrevista que a atual ministra Eleonora Menicucci teve com a jornalista Joana Maria Pedro em 14/10/2004. Certamente não imaginava que seria Ministra um dia. A entrevista inteira voce pode ler AQUI.  É nojento, mas vale a pena conferir, por exemplo, como uma mulher grávida resolve matar o próprio filho ainda na barriga porque os companheiros guerrilheiros assim quiseram, afinal, elas estão no poder.

Eleonora: Dois anos...dois mandatos seguidos, e voltei pra João Pessoa. Aí em São Paulo eu integrei um grupo do Coletivo Feminista Sexualidade e Saúde. Eu a Maria José Oliveira, a Vera Soares, a Tereza Verardo a Margareth Lopes, a Magali Marques, críamos o Coletivo Feminista Sexualidade e Saúde, que é uma ONG, para atender as mulheres de forma diferenciada com respeito a... E nesse período estive também pelo Coletivo fazendo um treinamento de aborto na Colômbia.

Joana: Certo.

Eleonora: O Coletivo nós críamos em 95...

Joana: Como é que era esse curso de aborto?

Eleonora: Era no Clínicas em Aborto...a gente aprendia a fazer aborto...

Joana: Aprendia a fazer aborto.

Eleonora: Com aspiração AMIU

Joana: Com aquele...

Eleonora: Com a sucção.

Joana: Com a sucção. Imagino. Uhum.

Eleonora: Que eu chamo de AMIU . Porque a nossa perspectiva no Coletivo, a nossa base...

Joana: Que as pessoas se auto...auto...fizessem

Eleonora: Auto-capacitassem, e que pessoas não médicas podiam...

Joana: Claro.

Eleonora:...lidar com o aborto.

Joana: Claro.

Eleonora: Então vieram duas feministas que eram clientes, usuárias do Coletivo, as quais fizeram o
primeiro auto-exame comigo. Então é uma coisa muito linda...
 
Para quem não sabe, a sucção que a Ministra da dona Dilma aprendeu a fazer e ensinava as mulheres carentes consiste em ligar um aparelho de sucção ao útero da mulher criando uma energia que despedaça e suga o corpinho do bebê. Funciona como um aspirador de pó. Abaixo a foto do aparelho AMIU em que a Ministra é especialista e a foto do resultado.





 
 
Não gostou? A Ministra Eleonora Menicucci achou tudo "uma coisa muito linda".

Prestem atanção. Esta senhora quer implantar o aborto como politica de saúde pública. Para ela, gravidez indesejada é doença.


“O aborto, como sanitarista, tenho que dizer, ele é uma questão de saúde pública, não é uma questão ideológica. Como o crack, as drogas, a dengue, o HIV, todas as doenças infecto-contagiosas.” Eleonora Menicucci

Andei, como sabem, afastado do Blog. Obrigações pessoais e profissionais e tédio em relação aos acontecimentos. Tudo igual. Agora, porem, surgiu um novo elemento que, penso, vai mobilizar um monte de gente entediada como eu. Estou me referindo a campanha pró-aborto que vem por ai a se levar em conta as palavras da recém-nomeada Ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres, uma tal Eleonora Menicucci.

Sobre a assassina de fetos diz-se que foi companheira de cela da dona Dilma quando esta participou da luta pela Ditadura comunista contra a Ditadura militar de direita que se implantava no Brasil. Diz-se também que fez abortos, que fornicou com homens e mulheres, que se orgulha de ter uma filha lésbica e outras coisas grandiosas (ver o Blog do Reinaldo Azevedo ai do lado). Sinceramente, por mais interessantes que sejam suas declarações e glorioso o seu passado, só consigo prestar atenção na parte onde diz que aborto e igual ao Crack, a Dengue e ao HIV como questões de saúde publica.

Essa criminosa aborteira se apresenta perante a nação brasileira como sua Ministra comparando vidas humanas a larvas de mosquitos e fica por isso mesmo? Ninguém vai falar nada?

Na campanha eleitoral a dona Dilma quando foi pega em declarações favoráveis ao aborto se penitenciou, voltou atrás, deu o dito pelo não-dito, negociou o apoio de lideres evangélicos e cristãos e jogou a questão no colo da oposição como se esta estivesse inventando moda. Não era. Dona Dilma é sim abortista, sempre foi e agora dá corda ao massacre de crianças indefesas sob o argumento vagabundo de que a mulher tem direito a decidir pelo próprio corpo. E claro que tem. Até o momento em que decide abrir as perninhas e copular com o macho da hora. Depois disso, fertilizada, como qualquer animal ela empresta o próprio ventre a uma vida que se formará, mas que já existe e NAO lhe pertence.

Mulheres tolas, já que não tiveram juízo para se prevenir que ponham na cabeça uma coisa: depois de gerada, a vida dentro de você não lhe pertence, o seu corpo não é seu, você não tem o direito de interromper uma vida que pulsa dentro de si assim como você não pode apagar uma estrela no céu.

A Ministra pode ser sanitarista o escambau, pode ser o que pense ser, mas isto não lhe dá o direito de higienizar a sociedade permitindo ou estimulando o assassinato de crianças indefesas. Vá matar mosquito, vá tratar drogados, vá prevenir o HIV e com isso salvar vidas e não o contrario.

Esses covardes assassinos são os mesmos que distribuem kits de sexualidade nas escolas, que acham que crianças e adolescentes devem ter acesso a pênis de borracha como se eles fossem a Barbie do século 21. De um lado ensinam as crianças a fazerem neném como se fossem comer um sanduíche, de outro querem ensiná-las a abortar os nenéns como se eles fossem o saquinho de batata frita. Vagabundos, covardes e assassinos é o que são. Consola-me saber que não passarão. O Brasil é maior que eles.

O Ministério das Mulheres e as criancinhas.

ESTA É A QUE SAIU






ESTA É A QUE ENTROU




É CLARO QUE AS CRIANCINHAS ESTÃO COM MEDO!!!

Festejai abortistas e abortadeiras, voces saíram das sombras e agora estão no Governo. Solenemente.

Algumas poucas coisas tem o condão de me pôr automaticamente do outro lado da rua. Assim, de lembrança, listo seis. Ditadura, corrupção, alarmismo do aquecimento global, defesa do uso de drogas, racialismo e aborto. Azar o meu que o mundo está cheio de gente que pensa de outro modo. Alguns até ganham notoriedade e prestígio político defendendo essas causas que me provocam urticária.

Desde que a dona Dilma foi eleita corrupção é prato do dia, alarmismo é quase condição necessária, consumidores de drogas ganharam o direito de defender seu uso em passeatas e as cotas raciais já ameaçam a composição das altas Côrtes Jurídicas. Estava faltando a ditadura e o aborto. Não falta mais. Semana passada a dona Dilma foi beijar a mão dos irmãos Castro e nesta nomeou uma abortadeira e abortista para o seu Ministério. Desconfio que sendo uma mulher de convicções, a nova ministra Secretária de Políticas para as Mulheres não chega no governo para ser omissa. Ela já disse que vai trazer à pauta política a liberação do aborto (ela mesma declarou que assassinou dois fetos que gerou), já que se trata de sua principal bandeira.

Estariam o PT e a dona Dilma dispostos a encarar a celeuma? Ou, como na campanha, mentirão dizendo que são contra? Vão proibir a ministra Eleonora Menicucci de operar em favor daquilo que julga ser um direito das mulheres - assassinar seus fetos? Vão dizer que uma coisa é a própria convicção e outra é a questão do governo? Vão fazer aquele tró-ló-ló de que o aborto é questão de saúde?

E o povo brasileiro que em qualquer pesquisa demonstra desaprovar o assassinato de fetos? Será que vamos assistir a uma campanha publicitária governamental em defesa da morte das criancinhas nas barrigas de suas mães? A Igreja vai cruzar os braços e deixar que Edir Macedo traduza a Bíblia para os brasileiros? Aguardemos.

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

No The Wall Street Journal, cientistas de verdade "espancam" alarmistas da mentira.

Recentemente (27 de janeiro de 2012) o The Wall Street Journal publicou um artigo de opinião sobre o aquecimento global assinado por 16 cientistas renomados. É claro que a mídia carbofóbica não repercutiu, mas a começar pelo título temos um bom texto para refletir. O objetivo, parece, foi alertar os candidatos a Presidência dos EUA, mas serve para qualquer cidadão lúcido. Com algum risco fiz abaixo uma tradução do texto que pode ser visto no original AQUI

Não há necessidade de pânico sobre o aquecimento global. Não há nenhum argumento científico convincente para medidas drásticas de "descarbonizar" a economia mundial.

Nota do Editor: O texto seguinte foi assinado pelos 16 cientistas listados no final do artigo:


Um candidato a cargo público em qualquer democracia contemporânea pode ter que considerar que, se deve fazer alguma coisa sobre o "aquecimento global". Os candidatos devem entender que a alegação tantas vezes repetida que quase todos os cientistas exigem que algo dramático seja feito para parar o aquecimento global não é verdade. Pelo contrário, um grande e crescente número de cientistas de renome e engenheiros não concordam que as ações drásticas sobre o aquecimento global sejam necessárias.

Em setembro de 2011, o ganhador do Prêmio Nobel, físico Ivar Giaever, um apoiador do presidente Obama na última eleição, publicamente renunciou à American Physical Society (APS) com uma carta que começa assim: "Eu não renovo porque eu não posso viver com a [política de APS] afirmação: 'A evidência é incontestável:.. O aquecimento global está ocorrendo Se não ações mitigadoras são tomadas, ocorrerão rupturas significativas nos sistemas físicos e ecológicos da Terra, nos sistemas sociais, na segurança e na saúde humana. Devemos reduzir as emissões de gases de efeito estufa a partir de agora.' Na APS é permitido discutir se a massa dos prótons pode ter alterações ao longo do tempo e como um universo multi-comporta-se, mas a evidência do aquecimento global é irreversível?"

Apesar de uma campanha internacional de várias décadas para reforçar a mensagem de que quantidades crescentes de dióxido de carbono "poluente" irão destruir a civilização, um grande número de cientistas, muitos muito proeminente, partilha as opiniões do Dr. Giaever. E o número de científicos "hereges" está crescendo a cada ano que passa. A razão é uma coleção de teimosos fatos científicos.

Talvez o fato mais inconveniente é a falta de aquecimento global por mais de 10 anos. É conhecida a estabilidade do aquecimento. Como se pode ver a partir em e-mail "Climategate" do clima cientista Kevin Trenberth: "O fato é que não podemos explicar a falta de aquecimento no momento". Mas o aquecimento só existe se alguém acredita nos modelos de computador onde os chamados feedbacks envolvendo vapor de água e nuvens amplificam muito o efeito pequeno do CO2.

A falta de aquecimento por mais de uma década, na verdade menor do que o previsto ao longo dos 22 anos em que o Painel Intergovernamental da ONU sobre Mudanças Climáticas (IPCC) começou a emitir projeções, sugere que os modelos de computador têm sido muito exagerados quanto ao aquecimento que o CO2 adicional pode causar. Diante deste embaraço, os alarmistas mudaram seu foco de aquecimento para condições climáticas extremas, de modo a permitir que o que acontece em nosso clima caótico seja atribuído ao CO2.

O fato é que o CO2 não é um poluente. O CO2 é um gás incolor e inodoro, expirado em altas concentrações por cada um de nós, e um componente-chave do ciclo de vida da biosfera. As plantas trabalham muito melhor com mais CO2. O aumento das concentrações de CO2 por fatores de três ou quatro obtém um melhor crescimento. Isso não é surpresa já que as plantas e os animais evoluíram quando as concentrações de CO2 eram cerca de 10 vezes maiores do que são hoje. Melhores variedades de plantas, fertilizantes químicos e de gestão agrícola contribuiram para o grande aumento na produção agrícola do século passado, mas parte do aumento quase que certamente veio de CO2 adicional na atmosfera.

Embora o número de cientistas publicamente dissidentes esteja crescendo, muitos jovens cientistas furtivamente dizer que, enquanto eles também têm sérias dúvidas sobre a mensagem do aquecimento global, eles têm medo de falar por medo de não serem promovidos ou pior. Eles têm um bom motivo para se preocupar. Em 2003, o Dr. Chris de Freitas, o editor do jornal Climate Research, se atreveu a publicar um artigo peer-reviewed com a conclusão politicamente incorretoa (mas factualmente corretas) que o aquecimento recente não é incomum no contexto das mudanças climáticas sobre os últimos mil anos. O "establishment" do aquecimento internacional rapidamente montou uma campanha determinada a remover o Dr. Freitas de seu trabalho editorial e demitido de seu cargo na universidade. Felizmente, o Dr. de Freitas foi capaz de manter seu emprego na universidade.

Esta não é a maneira como a ciência deve funcionar, mas já vimos isso antes, por exemplo, no período assustador quando Trofim Lysenko sequestrou a biologia na União Soviética. Biólogos soviéticos que revelaram que acreditavam em genes que eram tidos por Lysenko como uma ficção burguesa, foram demitidos de seus empregos. Muitos foram enviados para o gulag e alguns foram condenados à morte.

Por que existe tanta paixão sobre o aquecimento global, e por que a questão tornou tão irritante que a American Physical Society, da qual Dr. Giaever renunciou há alguns meses, recusou o pedido aparentemente razoável por muitos de seus membros para remover a palavra " indiscutível "de sua descrição de uma questão científica? Há várias razões, mas um bom começo é a velha questão "cui bono?" Ou a atualização moderna, "Siga o dinheiro".

Alarmismo sobre clima é de grande benefício para muitos, para a concessão de financiamento do governo para a pesquisa acadêmica e uma razão para as burocracias governamentais para crescerem. O alarmismo também oferece uma desculpa para os governos aumentarem os impostos e os contribuintes financiarem subsídios para as empresas que entendem como funciona o sistema político, e uma atração para grandes doações a fundações que prometem salvar o planeta. Lysenko e sua equipe vivia muito bem, e eles defenderam ferozmente sua dogma e os privilégios que os trouxeram.

Falando por muitos cientistas e engenheiros que analisaram cuidadosamente e de forma independente a ciência do clima, temos uma mensagem para qualquer candidato a cargo público: Não há nenhum argumento científico convincente que justifiquem medidas drásticas para "descarbonizar" a economia mundial. Mesmo se se aceita as previsões climáticas inflacionadas do IPCC, políticas agressivas de controle de gases de efeito estufa não se justificam economicamente.

Um estudo recente de uma grande variedade de opções políticas por um economista de Yale, William Nordhaus, mostrou que a maior relação benefício-custo é alcançada por uma política que permite que mais de 50 anos de crescimento econômico sem impedimentos por controles de gases de efeito estufa. Isso seria especialmente benéfico para as partes menos desenvolvidas do mundo que gostariam de compartilhar algumas das mesmas vantagens de bem-estar material, saúde e expectativa de vida que as partes plenamente desenvolvidas do mundo desfrutam agora. Muitas respostas de outras políticas teriam um retorno negativo sobre o investimento. E é provável que mais CO2 e o aquecimento modesto, que pode vir com ele, vai ser um benefício global para o planeta.

Se os eleitos se sentem compelidos a "fazer algo" sobre o clima, recomendamos apoiar os excelentes cientistas que estão aumentando nossa compreensão do clima com bem desenhados instrumentos de satélites, nos oceanos e na terra, e na análise de dados observacionais. Quanto melhor entendermos o clima, melhor podemos lidar com a sua natureza em constante mudança, o que tem complicado a vida humana ao longo da história. No entanto, grande parte do enorme investimento privado e governamental em clima necessita de revisão crítica.

Cada candidato deve apoiar as medidas racionais para proteger e melhorar o nosso ambiente, mas isso não faz sentido algum se apoiar programas caros que desviam recursos de necessidades reais e baseiam-se em afirmações alarmantes, mas insustentáveis de provas "irrefutáveis".

Claude Allegre, former director of the Institute for the Study of the Earth, University of Paris; J. Scott Armstrong, cofounder of the Journal of Forecasting and the International Journal of Forecasting; Jan Breslow, head of the Laboratory of Biochemical Genetics and Metabolism, Rockefeller University; Roger Cohen, fellow, American Physical Society; Edward David, member, National Academy of Engineering and National Academy of Sciences; William Happer, professor of physics, Princeton; Michael Kelly, professor of technology, University of Cambridge, U.K.; William Kininmonth, former head of climate research at the Australian Bureau of Meteorology; Richard Lindzen, professor of atmospheric sciences, MIT; James McGrath, professor of chemistry, Virginia Technical University; Rodney Nichols, former president and CEO of the New York Academy of Sciences; Burt Rutan, aerospace engineer, designer of Voyager and SpaceShipOne; Harrison H. Schmitt, Apollo 17 astronaut and former U.S. senator; Nir Shaviv, professor of astrophysics, Hebrew University, Jerusalem; Henk Tennekes, former director, Royal Dutch Meteorological Service; Antonio Zichichi, president of the World Federation of Scientists, Geneva.

Roubo na Casa da Moeda. Aí é piada pronta.

Noticiam os jornais que o próximo ministro a cair é o Guido Mantega, uma espécie de pau pra toda obra desde os tempos do Lula. Parece que o Mantega andou amaciando há pelo menos um ano perante as denúncias de corrupção contra o subordinado Luiz Felipe Denucci, presidente da Casa da Moeda. Sabia que a Receita e a Polícia Federal investigavam o suposto pagamento de US$ 25 milhões em propinas para Denucci, e também foi avisado pelo PTB, por carta, há um ano. Não fez nada.

O caso do Denucci é piada pronta. Em um governo que em pouco mais de um ano caíram nada menos que SETE ministros envolvidos em falcatruas que vão de estradas e bolas de futebol, o mais previsível era que na Casa da Moeda alguém estivesse a promover o tilintar que faz o delírio de certa turma. Nada mais obvio. O larápio da moeda já foi demitido e pode, pelo menos por negligência, derrubar o poderoso Mantega. Mais um para o clube de anjos decaídos. Ainda faltam 30.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Mais frio na Europa, Rússia e Japão. Pessoas morrem e carbofóbicos mentem.

A noticia abaixo é pra deixar qualquer carbofóbico de orelhas quentes. A cada dia a realidade demonstra as mentiras dos membros da seita do aquecimento global antropogênico. Mesmo assim eles não se rendem e andam a dizer bobagens sobre o clima. Mesmo com os pés gelados.

Do Portal G1

'Frio anormal' afeta várias regiões da Rússia, mata ao menos 60 na Europa, 50 no Japão e deve continuar


Uma onda de um "frio anormal" está afetando várias regiões da Rússia, já matou ao menos 60 pessoas na Europa e 50 no Japão, e deve continuar. Nesta quarta-feira (1), um termômetro localizado em Novosibirsk, na Sibéria - a cerca de 2.800 km ao leste de Moscou, na Rússia - marcava a temperatura de -34ºC.

O Ministério russo de Situações de Emergência afirmou que esse "frio anormal" atingiria a nação em várias regiões, entre 30 de janeiro e 3 de fevereiro, com temperaturas marcando mais de 30 graus negativos.

Ainda segundo o ministério, essa brusca queda de temperatura é reflexo da chegada de uma frente fria do Ártico através do mar de Kara. As possbilidades de interrupção das linhas de transmissão de energia elétrica e incêndios em casas de aldeias aquecidas por fogareiros não foram descartadas, como informou o órgão.

Mortes na Europa - Esse frio intenso vem causando mortes na Europa. Nos últimos dias, já foram registradas ao menos 60 mortos por conta das condições climáticas.

A Organização Meteorológica Mundial (OMM) informou nesta terça-feira (31) que espera uma redução de temperatura para até -14º C em Frankfurt, na Alemanha, -12º C em Budapeste, na Hungria, -15º C em Estocolmo, na Suécia, e -22º C em São Petersburgo, na Rússia. Na Suíça, a sensação térmica era de -25º a -40º C na região montanhosa do país.

Além disso, a OMM informou também que as temperaturas devem seguir caindo com força por conta de uma pressão atmosférica que vem do norte da Rússia. Essa pressão se direciona para a Europa Central e Ocidental.