quarta-feira, 16 de junho de 2010

Mais bobagens de crentes contra Aldo Rebelo.

Colhi no site Ambiente Acreano, do bom Evandro, o trecho abaixo.

“Aumentar só a área agrícola não torna a agricultura do Brasil mais produtiva, mais competitiva. Competir com a agricultura dos países desenvolvidos é competir em tecnologia. A tendência mundial...é a diminuição da área utilizada pela agricultura com o aumento da produtividade por hectare. Nenhum país que tenha agricultura de ponta está aumentando área agrícola. Qual seria a justificativa para o Brasil ir na contra-mão da tendência tecnológica histórica...?” Carlos Nobre

Este trecho da declaração do Presidente do INPE em relação ao relatório do deputado Aldo Rabelo parece, por se tratar de um cientista renomado, uma assertiva irrefutável. É uma besteira.

Carlos Nobre é mais um dos cientistas que negam a ciência em nome da fé no aquecimentismo de AL Gore.  É um militante da seita. Em sua cantilena carbofóbica sai de vez em quando com este tipo de abordagem. Pouco importa que seja presidente do INPE, interessa é que seus termos são equivocados, para dizer o mínimo.

Em primeiro lugar, o Brasil já é um produtor agrícola de alta produtividade e, por causa disso, seus ganhos de produtividade futuros tendem a ser cada vez menores. Qualquer um sabe que as taxas médias de crescimento de produtividade agrícola são decrescentes. Neste sentido, diminuir a área plantada é inteiramente descabido, pois significaria anular o crescimento de produtividade.

Em segundo, não é verdade que os países "que tem agricultura de ponta" estejam diminuindo a área plantada. Estes, NÃO  possuem novas áreas a integrar ao processo produtivo. Só lhes resta o aumento de produtividade.

Em terceiro, NÃO É VERDADE que o Brasil esteja indo em sentido contrário como sugere o presidente do INPE, o que significaria ampliar a área passível de exploração. O que o relatório propõe é a não diminuição da área disponível. Além disso, Aldo Rebelo quer que ao nível dos Estados a legislação seja adequada à realidade objetiva e não aos interesses ideológicos, políticos e exrternos que contaminam a legislação atual.

Quer também o deputado do P C do B, que os pequenos agricultores não sejam tratados com a mesma fúria com que determinados setores agem contra os grandes latifundiários. A horizontalidade dos limites de reserva legal é uma completa idiotice.

Na forma atual o Código Florestal é ao mesmo tempo um atestado e uma homenagem à incompetência. Por não ser capaz de realizar um zoneamento que leve em conta as condições edafoclimáticas, as condições sócio-econômicas, o aporte de tecnologia, a localização e o tamanho da propriedade, estabelece uma reserva legal burra, igual para todas as propriedades.

Um comentário:

  1. Nielsen Macambira17 de junho de 2010 18:18

    Fico pensando o que passa na cabeça dos eleitores de Aldo Rebelo... Não consigo enxergar nem um lampejo de interesse no dito-cujo, mas ainda assim alguém vê algo nele, vai lá na urna e tome! Mais um mandato para o sujeito. Deve ser o efeito da era Lula, sei lá... Se a direita não reassume o poder é capaz de termos ogivas nucleares e terroristas fazendo estágio para homem-bomba por aqui dentro em breve, incrível como oito anos de irresponsabilidade deixam um país de pernas pro ar!

    ResponderExcluir