sábado, 26 de dezembro de 2009

Luis Fernando Verissimo em dia bovino

Quem sou eu para contrapor algo ao maravilhoso escritor Luis Fernando Veríssimo, não é mesmo? Mas, creiam, o homem falou merda no artigo “Quem falou pelas vacas?” que publicou no Jornal Zero Hora a respeito do aquecimento global antropogênico.

A pretexto de justificar a incapacidade das vacas de controlar puns e arrotos e, com isto, diminuir a emissão de gases do efeito estufa, o escritor em dado momento compara os céticos, como são denominaos aqueles que duvidam da capacidade humana de alterar o clima, aos negadores do holocausto. Uma completa imbecilidade vinda de um grande escritor. Como se vê, falar merda não é exclusividade de políticos.

Aliás, o LFV já está entre aqueles que alternam frases e conceitos. Hora falam em aquecimento global, hora falam em mudanças climáticas como se tivessem o mesmo significado. Não têm. É o primeiro passo para se esquivar de explicar as ondas de frio extremo que varrem algumas regiões, como a Europa desta semana.

Voltemos ao Luis Fernando Veríssimo em dias de climatologista. Diferentemente dos negadores do holocausto que negam a historia registrada, documentada, testemunhada, os céticos refutam afirmações pretensamente científicas o que, convenhamos, é muito diefrente, São especialistas no clima, muitos deles até já fizeram parte do IPCC, se baseiam para suas afirmações nos dados dos próprios aquecimentistas, isto quando não são manipulados como no CLIMATEGATE.

Ninguém, nenhum cientista foi capaz de negar até hoje que dos 200 bilhões de toneladas de CO² emitidos para a atmosfera, apenas cerca de 6 bilhões são causados pelo homem. Estaríamos tratando, portanto, da hipótese de diminuindo 30% de 3% alterar os efeitos dos 100% de CO², sendo que este é apenas um dos gases do efeito estufa.  Bem ali na esquina, em Porto Alegre, o escritor pode consultar o climatologista Eugene Hackbart, no MetSul, e ouvir a ciência antes da propaganda.

Quanto as vacas, a julgar pelo que saiu do escritor, elas tem um legítimo representante.

Nenhum comentário:

Postar um comentário