segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

O brasileiro Luiz Carlos Molion não está sozinho.

CIDADE DO MÉXICO, México, 18 de fevereiro de 2011 (Notícias Pró-Família) —

Um famoso geofísico mexicano diz que apesar das predições de aquecimento global baseadas em modelos produzido em computador, o mundo pode estar à beira de um período frio de oitenta anos semelhante à “pequena era glacial” que a Europa experimentou do ano 1300 a 1800 A.D..


Víctor Manuel Velasco, do Instituto de Geofísica da Universidade do México, diz que as recentes condições de inverno são semelhantes às da “pequena era glacial”, e em particular o “Mínimo de Maunder”, um período durante o qual a atividade de manchas solares caiu de forma significativa. Ele também nota que a Terra está em situação similar hoje em relação ao resto do sistema solar, um fato que ele considera como importante para o clima.

“Estamos falando sobre o período entre 1645 e 1715, que é conhecido como o Mínimo de Maunder, um período em que as manchas solares praticamente desapareceram da superfície do sol, e em que nosso planeta ocupou uma posição semelhante à que ocupa hoje, com respeito ao centro de gravidade de nosso sistema [solar]”. Velasco disse numa entrevista publicada pela universidade.

Velasco descartou modelos produzidos por computador que são usados para predizer o aquecimento global como consequência de emissões de dióxido de carbono feitas pelo homem, notando que “hoje estamos experimentando uma revolução científica em que por um lado há supercomputadores e por outro, a inteligência humana. Só os seres humanos criam conhecimento e ciência, e aqueles que colocam as esperanças em computadores estão fazendo um diagnóstico incorreto”.

“Será a natureza que demonstrará qual teoria é a correta. Contudo, a Terra está ficando mais fria”, acrescentou ele.

Embora a atividade de manchas solares tenha sido mais elevada em recentes décadas, o que está em correlação com temperaturas globais mais elevadas, recentemente tem mostrado sinais de queda. O ano de 2009 marcou um ponto particularmente baixo no ciclo de manchas solares, representando o “mínimo solar mais profundo em aproximadamente um século”, de acordo com a NASA.

Velasco diz que vem estudando a relação entre atividade solar e clima desde 2002, e “nossas observações nos levaram a predizer, em 2008, que o clima começaria a ficar mais frio por volta de 2010, e a natureza está começando a demonstrar se a predição estava certa ou não”.

O geofísico crê que uma “mini-era glacial” começou em 2010 que durará entre 60 e 80 anos, e diz que “não existe um consenso científico com relação à influência e responsabilidade do homem no aquecimento global”, de acordo com um comunicado à imprensa da Universidade do México descrevendo as opiniões dele.

Velasco é um dos muitos cientistas que questionam as conclusões do Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática (PIMC) da ONU, um órgão político que tem sido a principal força por trás da promoção da hipótese de aquecimento global catastrófico. A teoria é adorada por organizações que buscam justificar medidas de controle populacional, tais como aborto, contracepção e esterilização.

Fonte: http://noticiasprofamilia.blogspot.com/

5 comentários:

  1. Olá,

    Alguns dizem que há interesses por trás desse tal de aquecimento global. Pode até haver alguns que se aproveitam no meio de uma coisa midiática tão grande, mas enquanto o absurdo empirismo dessa gente que comanda e domina essa questão não aplicar as ciências de conhecimento universal e assim continuar cometendo erros tão absurdos e elementares da física básica, podem deixar que se trata apenas de ignorância científica mesmo e, por isso, uma “conspiração” climática mundial não se sustenta. E já deram muitas provas disso, em seus “modelos” fajutos (os quais são ajustados para darem os resultados desejados, que absurdo!!), em publicações de revistas, em “previsões”, etc. Primeiro eles têm que entender bem e resolver cientificamente a questão, como eu já a resolvi, modestamente, o que o Molion não conseguiu, antes de afirmarem que há conspiração, por uma questão de lógica e bom senso.

    Quem comanda e domina essa questão no mundo é o IPCC e seus meteorologistas, climatologistas, hidrologistas, etc, os quais, para afirmar que existe aquecimento “global”, absurda e ingenuamente relacionaram um aumento de temperatura com um aumento de CO2. Mas, para constatar que há aumento do efeito estufa não basta uma simples e ingênua relação de um parâmetro com outro, pois na atmosfera há muitos outros parâmetros que precisam ser relacionados entre si para podermos realmente constatar um aumento de aquecimento atmosférico. E tais relações são baseadas na teoria física da questão, o que não se vê os profissionais acima relacionados fazerem, por isso erram tanto e tão absurdamente. E falo isso não apenas em relação às coisas que se vê na mídia, mas em relação às publicações de suas revistas internacionais, cujos artigos deveriam ser um primor de ciência, mas não são, são muitos e enormes absurdos mesmo.

    Além de eles terem relacionado somente um único parâmetro com outro, eles escolheram apenas as partes da história em que há os referidos aumentos, mas há outras partes da história em que há reduções desses parâmetros que não foram considerados por eles. É nessa hora que entra o Molion, que escolheu para suas afirmações exatamente o lado contrário dos outros, ou seja, quando os referidos parâmetros decrescem, cometendo o mesmo erro, só que do lado contrário. Vale lembrar que o Molion é tambem meteorologista e, como os outros empíricos, só depende de dados experimentais, os quais têm uma variabilidade natural complexa que confunde se as análises não forem ajudadas pela verdadeira teoria científica. Trabalhei e tenho trabalhado teórica e experimentalmente com sistemas de aquecimento atmosferico e posso dizer que quase tudo que tem sido dito sobre o tal do aquecimento “global” está essencialmente errado, inclusive pelo Molion.

    Por incrível que pareça, o ser humano é sim capaz de causar mudanças climáticas, mas não do jeito que dizem. Com poucas palavras, faço qualquer um entender como o ser humano pode sim interferir no clima. Enquanto isso, conheçam mais em sartori-aquecimentoglobal.blogspot.com.

    ResponderExcluir
  2. Diz-me que o ser humano é capaz de pelas emissões de CO2 alterar o clima global? Se não é assim, através de que ação isto seria possível? Aquela medição demonstrada no seu artigo não me parece suficiente.
    Obrigado pela visita.
    Valterlucio

    ResponderExcluir
  3. Ola Valterlucio,

    Obrigado pelo comentario.

    Em primeiro lugar, eu nao disse que o ser humano é capaz de alterar os ciclos naturais atraves do CO2. Em segundo lugar, no meu artigo nao fiz e nao demonstrei nenhuma mediçao. Em terceiro lugar, como vc nao leu meu blog e nem meu outro artigo http://noparadoxes.tripod.com nao viu q eu descobri o Novo Ciclo Hidrologico e atraves dele, entre outras coisas, pode-se entender como o ser humano pode sim alterar os ciclos naturais e nao é pelo CO2. E tenho muito mais infos sobre o assunto do q informei num breve relato, vc nao ia querer q eu fizesse um inteiro artigo cientifico em seu blog, nao é?

    ResponderExcluir
  4. Ola Valterlucio,

    Obrigado pelo comentario.

    Em primeiro lugar, eu nao disse q os ciclos naturais sao alterados pelo CO2. Em segundo lugar, no artigo eu nao fiz e nao demonstrei nenhuma mediçao. Em terceiro lugar, vc nao leu meu blog nem meu outro artigo http://noparadoxes.tripod.com e nao viu q eu descobri o Novo Ciclo Hidrologico, atraves do qual, entre outras coisas, fica facil entender como os ciclos naturais podem ser alterados pelo ser humano e nao é pelo CO2. Em quarto lugar, tenho muitas mais infos sobre o assunto do q as q coloquei num breve relato, vc nao ia querer q eu fizesse um livro inteiro em seu blog, nao é?

    ResponderExcluir
  5. - Professor, a Terra vai aquecer ou esfriar?

    - A única possibilidade para a Terra esfriar de vez é o Sol esfriar de vez, ou seja, o fim do mundo. Não sendo isso, trata-se apenas das variabilidades das temperaturas, as quais dependem de uma série de fatores, incluindo os causados pelos ciclos do Sol.

    O Molion disse que o planeta vai esfriar nos próximos 20 anos para contradizer o tal aquecimento, mas, não é dessa forma que se resolve a questão da influência humana no clima. Além disso, depois de 20 anos, ele dirá que o planeta vai aquecer ou esfriar até o fim do mundo? Parece que ele sabe quando e como vai ser o fim do mundo...

    A ciência séria não vive de previsões, nem de adivinhações, nem de alquimia, nem de empirismo, nem de “achismos”, pois ela trata de constatar e descrever com critério e rigor o que existe e isso já é muito difícil de fazer com exatidão, quanto mais profetizar sobre o futuro ou o longínquo passado quando os eventos da natureza são tão complexos e variáveis bem como os distantes dados (na verdade, suposições!) não são confiáveis e métodos disponíveis não têm a precisão requerida para dar garantias sobre tempos longe do presente. E quem poderá vaticinar sobre mudanças drásticas do comportamento do Sol, sabendo-se que a energia emitida por ele (medida e conferida por satélites) pode ser considerada constante, pois ela varia para mais e para menos em no máximo 0,5 W/m2 (0,04%) aproximadamente a cada 11 anos em torno de uma média de 1.366 W/m2 (e ainda fora da atmosfera, pois esta - principalmente o vapor d’água - atenua essa energia na sua maior parte)?

    Nisso tudo, o que interessa é o Homem ser capaz de saber se e como ele pode influenciar o clima (sobre isso já desenvolvi e esclareci muito), independentemente se com mais ou menos energia recebida, pois naquilo que o Homem não controla não adianta ficar batendo boca se é o Sol ou não é o Sol. Também fico impressionado com a facilidade e “exatidão” que os empíricos têm em “garantir” os longínquos passados e futuros quando na verdade não conseguem sequer conhecer e descrever corretamente o comportamento da atmosfera atual e real.

    O Homem deve ser ciente daquilo em que pode atuar e modificar e, esfriar o planeta o ser humano não pode, a menos que fizesse uma geladeira maior do que a Terra para retirar calor do planeta (logo, esfriar) e jogar esse calor para o espaço e isso é o que postula a segunda lei da termodinâmica para o caso, a qual não pode ser desprovada. Assim, a influência humana em um esfriamento do planeta está descartada.

    Portanto, só resta explicar mais sobre a capacidade humana de aquecer ou interferir no clima, mas, quanto ao chamado aquecimento global isso não é bem assim e vou deixar essa questão para outras ocasiões bem como recomendo novamente o blog http://sartori-aquecimentoglobal.blogspot.com

    ResponderExcluir