segunda-feira, 5 de abril de 2010

Lula, este gênio da comunicação.

Assisti ontem a entrevista do presidente Lula ao Programa Canal Livre, da Band. Sinceramente, enfim começo a entender porque o homem tem toda esta popularidade. O fato é que o Lula é convincente. A não ser que o espectador esteja bem municiado de defesas éticas, programáticas e ideológicas, o que ele fala parece ter todo sentido.

A forma como descreve os encontros com grandes líderes mundiais é coisa para mentiroso de carteirinha ou gênio da comunicação. O homem dá solução para conflitos religiosos milenares e para crises financeiras internacionais como se fossem receitas de bolinhos de chuva. Parece o Zé das Couves falando na feira com o João dos Tomates. Em casa, o Mané que assiste a entrevista espichadão no sofá pensa “este Lula é f...!”

Tem um truquezinho em sua fala que considero genial. Quando as coisas apertam, ele manda os números absolutos. Quando pode nadar de braçada manda os números relativos. E tudo vira o nunca antes neste pais. Claro. Nos próximos anos alguém poderá dizer que nunca antes neste pais isto e aquilo. Escolhidos a dedo os números são a maior fonte de enganação possível.

Quando apertado no PAC, saiu com esta. “No PAC I foram destinados tantos bilhões, no PAC II são mais tantos”. Ora. O PAC I não realizou 15% dos investimentos previstos (a maior parte não saiu do papel) e o PAC II é mera aposta eleitoral. O espectador fica achando que o negócio agora é com o PAC II, sem se dar conta de que o PAC II já está sendo faturado sem que o PAC I tenha sido executado.

Quando confrontado com o PNDH e suas aberrações, não titubeou. Pra ele “Foram os movimentos sociais, quem quiser que debata e derrote-os.” Movimentos sociais uma ova. Aquela ruma de estrume saiu foi do governo que é quem puxa o cabresto de todos estes “movimentos sociais.”

Quando confrontado com a reforma tributária, mandou a conta para os governadores e prefeitos. Peraí. Com exceção da CPMF o governo ganhou todas no Congresso. Porque perderia esta, se quisesse levá-la adiante? Mas ficou a impressão de que a dita cuja não saiu porque os governadores impediram.

A mesma coisa para a reforma trabalhista. Criou uma comissão e a comissão não deu conta, não se entendeu. Que culpa tem o governo, né? Ora. Se era pra não dar conta pra quê o Governo criou a tal comissão? Fica por isto mesmo?

Ainda sobrou tempo e graça para advogar o bigodudo de Honduras. Não é verdade que o Micheletti saiu de casa e deu um golpe. A decisão foi tomada pela Suprema Corte hondurenha que viu na ação do Zelaya uma tentativa de perpetração de um golpe. O verdadeiro golpista era Zelaya. Isto, aliás, já é matéria vencida na opinião pública internacional.

Mas tudo isso e outras ardilezas passa despercebido pela fala extraordinariamente competente do Lula que de mais a mais desenvolveu um sorriso cúmplice com o espectador. Agora, além de falar como se fosse seu amigo de infância, ele sorri como se estivesse combinando algo com você. Sinceramente. Se não sou “passado na casca do alho” teria ontem sonhado com o Lula entre carneirinhos e nuvens de algodão.

Um comentário:

  1. O poder das palavras é impressionante e ele venceu assim. Fazer planos para gastar milhões, bilhões é fácil.Quero ver de onde essa dinheirama vai aparecer.

    ResponderExcluir