quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Procura-se um vice para Marina Silva



Dada como certa, a candidatura de Marina Silva enfrenta agora a escolha do vice. Noticia da “Folha de São Paulo” nesta terça-feira dá conta de que o ex-ministro Gilberto Gil já se colocou à disposição.


COMENTO

Em todas as eleições, os vices servem para dar equilíbrio à chapa. É um contrapeso ao cabeça de chapa que naturalmente possui um determinado viés. Exemplos recentes:

Collor e Itamar. Um, nordestino, jovem e voluntarioso. O outro, mineiro e maduro. Era preciso amenizar o perfil de Collor.

Fernando Henrique e Marco Maciel. Um, paulista, ligado ao grande empresariado, à esquerda e à intelectualidade. O outro, nordestino, conservador. A um paulista típico era preciso somar um nordestino com bases na velha política.

Lula e José Alencar. Um era sindicalista, formado na esquerda, contestador. O outro, mineiro, maduro, sereno, grande empresário. Era preciso tranqüilizar a classe média e o empresariado.


O que faria Gilberto Gil na chapa com Marina Silva? Nada. Ou melhor, puxaria para baixo. Extremaria seu caráter ambientalista, a desconfiança quanto à capacidade de entender e administrar as grandes questões econômicas etc. Gilberto Gil é, por assim dizer, índio da mesma tribo. Não serve.

O vice de Marina Silva precisa ser alguém ligado ao grande empresariado do Sudeste. Alguém que arriscando sua posição empresarial possa dizer “Se eu confio na Marina por que você não confia? Se eu incorporo seu projeto e sua visão de mundo, por que você não faz o mesmo?” Este cidadão, de preferência homem, precisa fazer o contraponto aos opositores naquilo que eles tem de vantagem, ou seja, uma percepção mais consolidada do desenvolvimento econômico. A candidata Marina Silva precisa começar a convencer pela escolha do vice.

Quem se candidata?

Nenhum comentário:

Postar um comentário