sexta-feira, 1 de abril de 2011

General Heleno é proibido de falar.

Conheci rapidamente o General Augusto Heleno, um dos brasileiros que mais conehce a Amazônia, admirável patriota que mesmo manietado pela disciplina da caserna ousou se contrapor ao crime lesa-pátria praticado pelo governo no caso da demarcação contínua da reserva Raposa - Serra do Sol em Roraima.

Diferentemente de outros que estão no Ministério da Defesa por indicação e consentimento de Sarey et caterva, o general recebeu a medalha Hermes da Fonseca somente merecida por quem alcança o primeiro lugar em sucessivos cursos na AMAN, EsAO e ECEME.

Noticia em todos os blogs dão conta de que foi impedido por seus superiores de falar em palestra a militares sobre o 31 de março. Não sei o que diria, obvio, mas acho esquisito que numa democracia generais sofram censura prévia. Com tanto labacéu em favor da verdade sobre o desaparecimento de guerrilheiros, seria normal que em sua despedida da ativa (entra hoje na reserva) o general Heleno dissesse o que pensa sobre o golpe de 1964 e suas repercussões na vida nacional. Por que não? Qual o problema? Não entendi.

Um comentário:

  1. Diante de tanto desmando e abuso é admirável contemplar-se a disciplina militar. Chego a pensar, não fosse esse escrúpulo, Castelo Branco teria fechado o Congresso, prendido ladrões e baderneiros e criado nova constituição.No passado,cabos e sargentos subvertidos,Iam com políticos em conjura Enaltecendo Cuba e o comunismo Querendo naquela época adiantar O assalto que só depois iria se dar Com menos risco e com muito mais cinismo.-Supressa a palavra na"ditadura", Quando a baderna já estava presente, Alguns militares de alta patente-Acharam melhor impor a censura.É convite ao pensamento de uma conjuração aos reservistas de 3a categoria.

    ResponderExcluir