segunda-feira, 28 de março de 2011

O Ghandi, hein? Quem diria...

Sou daqueles que acha que cada um goza como quer. É direito personalíssimo, desde que exclua da brincadeira crianças e incapazes. Se é de gosto o sujeito pode até morrer no ato, mesmo bizarro, como fez o ator David Carradine (aquele do Kung Fu) que se foi desta pra melhor pendurado com um laço no pescoço. Só não me venham com esta de bissexual. Quem tem bi, tri, tetra é time de futebol.

Será publicado em livro biográfico, que ninguém menos que Ghandi, o maior pacifista da história, era "bissexual". Teria despachado pra longe a mulher para viver ao lado de um alemão com quem dividia o lar e, segundo a biografia, os lençóis.

Quem leu algo a respeito do Ghandi sabia de sua abstenção sexual como doutrina. Segundo ele, a energia do homem é uma só e a prática sexual emprega parte importante dessa energia. Desse modo, quanto menos sexo, mais energia espiritual e vice-versa. Este grau de equilíbrio seria alcançado pelo brahmacharya, uma das bases do yoga, que consiste em controlar o desejo e canalizá-lo para a concentração e elevação espiritual. Ninguém imaginava é que, na moita, Ghandi usasse outro canal para atingir o nirvana.

Isso  muda algo? Não. Ghandi continuará sendo o ser iluminado que foi. Talvez mude para aqueles que acham que gays não podem ser "santos".

Um comentário:

  1. Fofoca pura. Nunca viu uma foto dele com alemão. Mesmo porque o cara era indiano até a medula. Garanto que , nos meados de sua vida o foco era outro, sua energia, sua criatividade, seu prazer era cutucar os ingleses.

    ResponderExcluir