sábado, 12 de setembro de 2009

Morreu o Governador Geraldo Mesquita - o último “agricultor”.

REVERENCIO

Cheguei ao Acre em fins de 1982, recém-formado em agronomia pela Escola Superior de Agricultura de Mossoró – ESAM, hoje UFERSA. Como se dizia à época, um canudo na mão e milhões de idéias na cabeça. A primeira era conhecer o setor agrário do Acre.

Nabor Júnior acabava de ser eleito sucedendo Joaquim Macedo. Seu Secretário de Agricultura viria a ser o advogado Antonio Carlos Carbone, um sujeito inteligentíssimo e bem humorado. Foi assessorado por gente muito boa. Cito Mario Lima, Carlitinho Cavalcanti, Cícero Rodrigues... Havia a Comissão Estadual de Planejamento Agrícola - CEPA, o Programa de Desenvolvimento Rural Integrado – PDRI e uma série de ações visando o desenvolvimento das áreas nas quais o INCRA, comandado pelo General Moreno Maia, realizava assentamentos em grande escala.

Do lado de fora da Secretaria, mas a ela vinculadas, contava-se com a CILA, COLONACRE, CAGEACRE e EMATER e Casas da Agricultura nos municípios. O estado dispunha efetivamente de um sólido aparelho institucional de apoio à agricultura. Herança do antecessor do antecessor de Nabor, o Governador Geraldo Mesquita.

Com o decorrer do tempo assistimos no Acre a uma política de desarticulação do setor. Aos poucos se foram a CEPA, a CILA, a COLONACRE e as Casas da Agricultura. A Emater e a CAGEACRE sobreviveram à duras penas e encontram-se abrigadas no mesmo guarda-chuva da SEAPROF.

Alguns dirão, com razão, que se trata de adequação do Estado à nova realidade imposta pela política prevalecente que prioriza as ações voltadas para a preservação do meio ambiente. O foco é outro, por isso no lugar daquelas instituições temos o Instituto do Meio Ambiente, a Secretaria de Florestas, a Secretaria de Produção Agro-flortestal, a Secretaria de Meio Ambiente, o Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal e o Instituto de Terras do Acre. Um novo aparelho para uma nova tarefa. Compreende-se.

De todo modo há que se deixar claro. Foi o Governador Geraldo Mesquita o último a entender e priorizar o papel da agricultura no desenvolvimento do Acre. Isto explica muita coisa.

Um comentário:

  1. Bom dia Walter. Meu nome é Renato e sou de SP. Preciso de um contato com o dr.Antonio Carlos Carbone. O sr teria e-mail ou outro contato dele para que eu possa falar com ele? Obrigado. rrzfotos@gmail.com

    ResponderExcluir