sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Alma não tem cor




O jornalista Paulo Henrique Amorim, aquele do "E ai, tudo beeeeeeeeeeem?", foi condenado em ação de racismo movida pelo também jornalista Heraldo Pereira, da Globo. O principal motivo foi a expressão usada para se referir ao Heraldo que, segundo ele, é um "negro de alma branca". Vai ter que se retratar e pagar 30.000 reais de multa. Acho pouco.

E se Paulo Henrique Amorim o tivesse chamado de "negro de alma negra"? E se alguém chamar o Paulo Henrique de"branco de alma branca"? Ou, de "branco de alma negra"? É racismo? É sim. Em qualquer das hipóteses a referência à cor da alma deixa implícita uma cor contrária, sendo uma negra e outra branca. Não resta dúvida de que a "alma negra" significa uma depreciação do negro, este, obviamente, associado à cor negra. Não há, portanto, que se falar em cor da alma a não ser para exprimir conceitos racistas.

Em suma, como disse Chico César, alma não tem cor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário