quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Da Bolivia vem um tsunami de coca.

Do Cesar Maia em seu "ex-blog"

DISPARA A PRODUÇÃO DE PASTA BASE DE COCAÍNA NA BOLÍVIA!

1. A produção de cocaína na Bolívia, especialmente nos departamentos de Cochabamba, Santa Cruz e Beni, duplicou nos últimos 3 anos. Estima-se que deva ter ultrapassado as 150 toneladas. Alguns falam em 200 toneladas.
2. As avionetas usadas mais que dobraram de preço e seu uso hoje é percebido por quem trafega nas estradas ou vive no interior. O governo sabe disso, pois seus radares acusam o volume desse tráfego.
3. Os traficantes brasileiros que chegavam à fronteira para comprar a cocaína agora compram dentro do país, entrando mais de 200 km para dentro da Bolívia. A presença de colombianos é crescente, pois são eles que trazem a tecnologia e a sugestão de sementes mais produtivas.
4. As autoridades estão passivas, e várias delas dizem, cinicamente, que hoje é a cocaína que mantém a economia ativa e com baixo desemprego. Reprimi-la seria criar mais um problema para o desgaste do governo, dizem. O trabalho de menor remuneração nas mini refinarias é de 400 dólares, o que impulsionou o valor geral do salário nessas regiões.
5. A promessa do novo ministro da justiça do Brasil é que levará as forçar armadas à nossas fronteiras. Então é urgente que leve, e já, para toda extensão da fronteira com a Bolívia. Nas drogas se aplica a lei de Say (toda oferta cria sua própria demanda). Sendo assim, em breve o mercado consumidor brasileiro estará ampliado.´

Enquanto isso, há quem pense que o combate ao tráfico de drogas e à criminalidade crescentes no Acre e em Rondônia, por exemplo, dar-se-á pelos métodos tradicionais. Impossivel. O Brasil precisa agir politicamente com a Bolivia. Dona Dilma precisa apertar o índio cocaleiro e de preferência sem escutar Chico Buarque que gosta de falar fino com vizinhos protoditadores.

Está claro que com a Bolivia nadando em cocaína não dá pra conter por aqui a enchente de traficantes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário